ERC e Anacom lançam consulta pública sobre futuro da TDT

As entidades reguladoras lançaram esta quinta-feira uma consulta pública com 30 perguntas sobre o futuro da Televisão Digital Terestre. Interessados têm até 26 de maio para participar.

Depois de os canais terem entregue um documento à tutela sobre a Televisão Digital Terrestre (TDT), a Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC) e a Autoridade Nacional de Comunicações (Anacom) lançaram esta tarde uma consulta pública.

Como ocupar o espaço remanescente da atual rede, canais regionais, tecnologias a adoptar, preços e configuração de rede são algumas das questões colocadas numa consulta cuja primeira pergunta pretende saber se "as condições de mercado permitem um incremento da TDT com o surgimento de novos operadores e de novos serviços de programas", solicitando, em caso afimativo, a explanação de "tipologia e modelo".

O documento, disponível nos sites de ambos reguladores, tem 30 perguntas e os interessados dispõem de 20 dias úteis, até 26 de maio, para enviar os contributos. Recorde-se que este procedimento, que surge quase dois anos após o switch off (apagão) analógico, de 26 de abril de 2012, pretende encontrar caminhos para a TDT, realidade que o ministro adjunto e do Desenvolvimento Regional, Miguel Poiares Maduro, considerou na passada terça-feira, em Comissão Parlamentar de Ética, ser "insatisfatória para os portugueses". "Estamos a tentar valorizar a TDT até como alternativa a outras plataformas, aumentando a concorrência. A oferta da TDT deve ser alargada", declarou.

Exclusivos

Premium

Alentejo

Clínicos gerais mantêm a urgência de pediatria aberta. "É como ir ao mecânico ali à igreja"

No hospital de Santiago do Cacém só há um pediatra no quadro e em idade de reforma. As urgências são asseguradas por este, um tarefeiro, clínicos gerais e médicos sem especialidade. Quando não estão, os doentes têm de fazer cem quilómetros para se dirigirem a outra unidade de saúde. O Alentejo é a região do país com menos pediatras, 38, segundo dados do ministério da Saúde, que desde o início do ano já gastou mais de 800 mil euros em tarefeiros para a pediatria.