Literatura

entrevista

Isabela Figueiredo: "O racismo está na cabeça de cada pessoa"

A autora de Caderno de Memórias Coloniais e A Gorda foi acolhida no Brasil com enorme entusiasmo pela crítica e pelos leitores. Chamaram-lhe "a musa de Paraty" na Flip, a grande feira literária brasileira. Ela acha que ser musa é bom e dá muito trabalho. Nascida em 1963 em Lourenço Marques, hoje Maputo, veio para Portugal um mês antes de fazer 13 anos, sozinha. Fez o possível para que não percebessem que era retornada, agarrou-se aos livros e aos estudos. É professora e escritora, com uma escrita de opiniões e palavras fortes. O corpo, a sensualidade, a denúncia do racismo e do colonialismo transpiram de todas as páginas, mesmo que essa recusa envolva o próprio pai, sempre amado.