Joana Amaral Dias

Joana Amaral Dias

Cheira mal, cheira a Lisboa

Veremos se Medina e Manuel Salgado são ou não corruptos. Para já, uma coisa é certa: o sistema montado pelo Sr. Feliz e pelo Sr. Contente, com concentração de poder, zero transparência, primado dos interesses privados (e não públicos), adjudicações directas, criação de "vias rápidas da reabilitação", contratação em barda de arquitectos-estrela; regimes fiscais especiais, leis-alfaiate, acumulação de poderes nas "sociedades de reabilitação urbana", são cama fértil da corrupção. Cama prenha. Há anos que Lisboa está a saque e que a sua Câmara Municipal passou a colossal central de negócios, onde manda um edil-infante e um "Dono Disto Tudo", outro Salgado, o homem que mais tempo esteve no poder nos Paços do Concelho (primo de Ricardo), controlando o acesso a todas as encomendas.

Joana Amaral Dias

Portugal vestiu a camisola

A camisola poveira tem mais mais de 150 anos e está, há meses, em processo de certificação. Feita de lã branca da serra da Estrela e decorada a ponto de cruz a preto e vermelho, com vários motivos de inspiração minhota - remos, boias, caranguejos e até as armas da coroa -, é uma peça bem expressiva da nossa identidade. Ora, Tory Burch (mais comercial que criadora) copiou-a, erguendo assim um imenso amor à pátria, adicionalmente espicaçado pelo facto de identificar a indumentária como mexicana, vendê-la por 700 euros, imitar as peças do Bordallo e ainda posicionar a sua marca como politicamente correta, socialmente responsável ou inclusiva (marketing muito em voga).

Joana Amaral Dias

Eterna semana de ponte

Foi você que pediu uma semana de só quatro dias de trabalho? Espanha já a ensaia e cada vez mais empresas e países testam e implementam esta nova tendência laboral. No ano passado, a Microsoft do Japão experimentou esse horário de fim-de-semana prolongado. Verificou-se um aumento de produtividade de 40%, uma redução em 23% na conta da electricidade e uma percepção positiva de 90% dos colaboradores, associada à redução do trânsito. Quatro dias com 32 horas de trabalho já existe, agora também aqui ao lado, e, portanto, não é uma quimera de unicórnios e preguiçosos, mas sim uma mais-valia para quem trabalha mas quer viver e que junta diferentes benefícios, como o aumento do rendimento profissional, a criação de emprego e a atenuação da pegada ambiental. Afinal, nunca se produziu tanto como actualmente, o que significa que devemos começar a trabalhar menos para reequilibrar os ganhos.

LEIA HOJE NO DN

"Não sei se Seguro é passado e Costa é futuro"

A psicóloga e ex-deputada pelo Bloco de Esquerda nega ter-se aproximado do Partido Socialista: "Só apareci num evento do PS porque António José Seguro convidou-me para discursar na convenção Novo Rumo." Quanto à situação do PS, considera normal: "Seguro faz parte desse conjunto de dezenas de líderes na oposição em Portugal e na Europa que foram desafiados quando chegou o momento de conquistar o poder." Daí que afirme: "Não tenho a certeza se Seguro vai ser passado e Costa futuro."