Joana Amaral Dias

Joana Amaral Dias

Quem cabritos vende…

Quando ouvi a história do questionário, pensei que incluísse algo como "Quando sair do seu tacho no Governo vai A) saltar para um poleiro altaneiro possivelmente numa área que tutelou ou da qual o seu marido/mulher tinha a respectiva pasta; B) receber indemnização de um milhão e meio; C) transitar para um cargo internacional (como sabe esta opção só é possível após muita genuflexão e/ou peculato); D) dedicar-se ao crime organizado, aos cartéis ou máfia, considerando a experiência curricular".

Joana Amaral Dias

A morte é minha?

Dizem que a eutanásia está em discussão há dez anos e que por isso já chega. Há que avançar. Acontece que hoje muitos têm mais dúvidas do que há uma década. Para a maioria, tudo isto começou por ser algo evidente: alguém em dor excruciante e irreversível (por exemplo, uma doença oncológica terminal) deveria ter o direito de escolher morrer de forma segura e com dignidade. Enfim, o golpe de misericórdia . Só que não. Como o debate internacional e a prática legal global têm demonstrado, a questão não é tão benigna, nem tão lisa quanto parece.

Opinião

Pizarria? O segredo está na massa

A empresa de Pedro Nuno Santos e do seu pai fez negócios com o Estado, violando o novo regime do exercício de funções por titulares de cargos políticos. A empresa em que trabalha uma irmã da secretária de Estado da Protecção Civil celebrou contratos com o Estado -- vendeu equipamentos ligados ao SIRESP a entidades do MAI, vários por ajuste directo. A empresa do marido da ministra Ana Abrunhosa recebeu fundos comunitários da entidade tutelada pela mulher. O ministro da saúde tomou posse em absoluta incompatibilidade e ilegalidade. Isto já para não falar no seu lastro socrático cujos tentáculos apanharam a suculenta área da saúde (lembram-se da acusação de corrupção a Lalanda e Castro e a Cunha Ribeiro no processo da Máfia do Sangue? -- Pizarro-secretário de Estado de 2008 a 2011 -- esteve sob escuta nesse processo mas as suspeitas foram arquivadas.)

Joana Amaral Dias

Contos de fadas

A guerra acabou com a covid e a rainha acabou com a guerra. Melhor que a sua longevidade só mesmo esta jogada de mestre post mortem. Bem que agora, até ao London Bridge, podia acabar com a subida das taxas de juro. Memes parte: o mundo em colapso pára e suspende-se para se transformar numa colossal revista cor de rosa que engole tudo à sua passagem, reduzindo a saúde pública, a inflação, Putin e Zelensky ou Taiwan a infidelidades conjugais, traições, invejas, dúvidas de paternidade e condutas sexuais duvidosas. Entre o big brother e a hagiografia, silêncio e esquecimento sobre as Malvinas, os irlandeses, os mineiros, Quénia, Nigéria, Vietname, Afeganistão, Iraque, Líbia ou Síria, nem gota ou sombra de espírito crítico pelos órgãos de comunicação social que tingem de purpurinas tudo o que diga respeito a sua majestade. 24/7 e a durar até dia 20 de setembro, ressaca incluída.

Joana Amaral Dias

O ranking do triciclo

Então, as crianças pobres perderam e as ricas ganharam, não foi? Uau! Que grande novidade. Parabéns à prima. E um amendoim, vai? A comunicação social que amplifica e reproduz estas patranhas devia cobrir a cara de vergonha, o corpo de alcatrão e sair da cidade. A sério? Prestarem-se a ser meros braços armados de interesses particulares e fazerem-lhes propaganda descarada? Ainda por cima, pisando no trabalho duro de tanto professor e guetizando ainda mais tanto miúdo.

Joana Amaral Dias

Quem tem medo do SNS?

Infelizmente, hoje em dia só confia no Serviço nacional de Saúde quem não tem alternativa. Este fim-de-semana, morreu mais um bebé. Mas haverá quem pense que assim se salvou um pouco mais do SNS. Porventura, até o planeta. O mesmo se pode dizer da mortalidade materna, que agora atingiu o nível mais alto dos últimos 38 anos. A DGS diz que está a investigar - têm morrido muitas mulheres devido a complicações da gravidez, parto e puerpério. Estes números já estavam a deteriorar-se antes da louca gestão da covid, piorando em 2020. Note-se que se trata dos mais importantes indicadores da qualidade das respostas públicas neste sector.

Opinião

Corrida para a morte

Biden pede menos armas em casa enquanto despeja jorros delas na Ucrânia. Contraditório? Pior é que em casa, o presidente dos EUA apenas finge que faz -- já que, no essencial, mais escola-matadouro menos matadouro-escola, tudo permanecerá na mesma. The National Rifle Association of America (NRA) controla grande parte da elite norte-americana, inclusive o Congresso. Já Obama tinha prometido "nunca mais" e a verdade é que nada aconteceu. Agora será mais do mesmo. À máfia lobista fabricante, junta-se uma história e uma cultura de violência ímpares.... De resto, a facilidade com que se adquirem armas de fogo em território estado unidense é comparável à de outros países, ainda que as cifras negras sejam bem diferentes. Portanto, embora não seja líquido que os tiroteios nos EUA apenas se resolvem com menos armas, a sua aquisição disparou após mais um massacre no Texas. Digam o que disserem os políticos -- mesmo os com meio século de carreira.