Japão

1864

Uma nobre, mas não menos diabólica história da tatuagem

Estatuto, honra, clã, salvação, bálsamo contra as enfermidades, mas também demoníaca e vandalismo corporal. O elenco de atributos associados às tatuagens é tão extenso como a sua presença na história. Múmias com milhares de anos deixam-nos o relato antigo de marcas perenes na pele de humanos que habitaram todos os continentes. De símbolo demoníaco na Europa a dádiva dos deuses na Oceânia, às tatuagens não escapou a pele de figuras como Jorge V de Inglaterra ou Nicolau II da Rússia.

Algarve

Japoneses fizeram renascer tradição algarvia da pesca do atum

A armação é como um recife artificial: captura os atuns-rabilhos que regressam do Mediterrâneo, onde foram desovar, e mantém-nos nas piscinas de engorda até atingirem a qualidade desejada. A Tunipex, projeto luso-nipónico, consegue assim ter peixe de alto nível para exportar até para o Japão. E respeitando as quotas que protegem a espécie do risco de extinção.

Testemunho

O reencontro da filha e do pai que Salazar e Mao separaram

Vera Wang era filha de um chinês e de uma portuguesa. Com o pai preso na China, refugiou-se no Japão. Conheceu lá Franco Nogueira, futuro MNE de Salazar, e casaram-se. Só depois do 25 de Abril conseguiu rever o pai. Quem contou a história foi Aida, a filha, em artigo de 16 de setembro de 2018 hoje republicado por passar dois anos da morte de Vera. Às 19.00 celebra-se missa nos Jerónimos.

Shigeru Ushio

O Japão e o horror nuclear em guerra

Há 75 anos foram largadas bombas atómicas sobre a cidade de Hiroxima e sobre a cidade de Nagasáqui, privando, segundo se diz, mais de 200 mil pessoas das suas vidas preciosas. Reduziu as cidades a cinzas e - sem a mínima misericórdia - privou as pessoas dos seus sonhos e do seu futuro brilhante. Aqueles que escaparam à morte sofreram horrores indescritíveis e mesmo hoje há pessoas que sofrem com os efeitos a longo prazo das bombas atómicas.