histórias

O médico cubano que vive entre o Pico e o Porto

Migrantes

O médico cubano que vive entre o Pico e o Porto

Ernesto Alonso alterna quinzenalmente funções nos serviços de urgência do Centro de Saúde do Pico e no de Santo António (Porto), como trabalhador temporário. Ao fim de dois anos incógnito, em 2012 conseguiu começar a trabalhar em Portugal. Mas lamenta a instabilidade laboral. Texto de António Pedro Pereira A ironia de se chamar Ernesto, do Ernesto desta história, bebe da raiz da farsa moral que o irlandês Oscar Wilde transformou numa celebrada peça em agosto de 1894. A hipocrisia da nata da sociedade inglesa em relação às instituições morais e sociais no final da era vitoriana ligam-se à Cuba de Ernesto [...]

histórias

Os números das migrações em Portugal e na Europa

Portugal já foi um país de emigrantes com alguns imigrantes (era assim há 40 anos). Hoje é essencialmente um país de migrantes, que não só acolhe milhares de estrangeiros como vê ainda retornar muitos nacionais. Mas vamos a números: Dados recolhidos por Ana Pago 480 300 é o número de estrangeiros que vivem em Portugal, de acordo com o relatório de imigração, fronteiras e asilo (RIFA) do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras. A maior comunidade de imigrantes em Portugal é a brasileira: 105 423 cidadãos, o que significa que um em cada cinco estrangeiros a viver cá tem essa nacionalidade. [...]

histórias

Jorge Jesus: o que é que o puto reguila da Amadora tem?

Tem um palmarés invejável, mas nem só de vitórias se alimenta a lenda de Jorge Jesus. Idolatrado pelos adeptos do Flamengo, seu atual clube, o treinador, um dos homens mais caricaturados em Portugal, continua a ser o puto reguila da Amadora, que fugia de casa para jogar à bola. Texto de Maria João Martins A segunda melhor "coisa" que Portugal enviou ao Brasil desde Carmen Miranda: será assim que pensam muitos torcedores do Clube de Regatas do Flamengo quando se referem ao treinador português Jorge Jesus, que devolveu ao clube carioca o sabor das vitórias. Entre esses torcedores entusiastas conta-se [...]

histórias

Rui Ivo: o regulador aprumado

Texto de Alexandra Tavares-Teles No final dos anos 1980, um importante congresso internacional de farmacêuticos levou a Lisboa professores das universidades portuguesas, figuras internacionais destacadas, autores de obras obrigatórias na academia e recém-licenciados de todo o Mundo. No jantar de encerramento, no Palácio de Queluz, um jovem, na qualidade de anfitrião, ganhou destaque. Impecavelmente penteado, perfeito no fato e gravata, com um inglês limpo e imenso à-vontade, Rui Ivo discursou durante mais de meia hora perante uma plateia exigente, espantada perante a rara desenvoltura. O episódio, descrito com minúcia no blogue “Impressões de um Boticário de Província”, é recordado, de […]

histórias

Envelhecer é uma arte, não é uma doença

Texto de Sara Dias Oliveira “O meu espírito irrequieto nunca me deixou ficar parado muito tempo.” Bernardo Belo Marques, 77 anos, de Braga, reformou-se em 1995 e nunca quis passar os dias a jogar cartas ou dominó num banco de jardim. “Seria deprimente, um desperdício de tempo, uma vida desenxabida.” São 23 anos de vida de reformado. “Faço sem pressas o que me dá prazer e não me recordo de ter tempo vago”, confessa. Recuperou um gosto antigo, a pintura, e expôs obras em vários espaços da cidade. Esteve na fundação da Rádio Barcelos e na dinamização de uma associação […]

histórias

Vítor Constâncio: guarda-redes sob fogo cruzado

Texto de Alexandra Tavares-Teles “É um perfilado muito difícil”, avisam. Descrevem-no “incapaz de falar de si, publicamente”, uma personalidade “reservada, muito associal”. E, por isso, “com poucos amigos”. Duarte da Cunha, economista de 76 anos, é o companheiro de sempre. Conheceram-se no Liceu Pedro Nunes vai para mais de seis décadas. Partilhavam a turma, a equipa de andebol – Vítor jogava à baliza, Duarte, um ano mais velho, na frente -, o caminho de regresso a casa. Que a certa altura, porém, bifurcava: Duarte, filho de médico bem-sucedido, morava na Lisboa da classe alta a que pertencia; Vítor, filho único […]

histórias

México: morrer em nome da verdade

Texto de Pedro Cardoso, no México 16 de maio. Nem há um mês. No chão de cimento, um corpo com marcas de violência e um tiro na cabeça. Duas garrafas de cerveja vazias – uma verde, outra castanha – sustêm um plástico azul que mal cobre a cara e o peito de Francisco Romero. São seis da manhã e a notícia estala na turística Playa del Carmen, a 70 quilómetros de Cancun: mataram Ñaca-Ñaca. O jornalista de “Ocurrió Aquí” caiu numa emboscada. “Por volta das cinco da manhã, recebeu uma chamada para cobrir algo no bar ‘La Gota'”, conta à […]

histórias

Blaya: Elétrica e sem papas na língua

Texto de Sara Dias Oliveira Lisboa ao longe, o vento que vai e vem, o homem que corta a relva no seu veículo motorizado no jardim público da marginal do Barreiro rente ao Tejo, meia dúzia de homens e mulheres de galochas no rio à cata do que ali anda e até onde a água lhes deixa, algumas senhoras numa aula matinal de ginástica. Blaya chega. Calças de ganga abertas de lado até aos joelhos, camisola de malha de algodão doce sem mangas e acima do umbigo, casaco impermeável com as cores do arco-íris mescladas. Corpo tatuado, porque sim, cabelo […]

histórias

Estava a ser operado quando o bloco incendiou

Um homem de 60 anos estava a ser operado ao coração quando uma faísca e a elevada concentração de oxigénio fizeram com que o bloco operatório se incendiasse. O insólito caso, que se tornou agora conhecido durante um congresso médico que decorreu em Viena, na Áustria, não terminou em desgraça por pouco. Tudo começou com o paciente que necessitou de ser intervencionado para que os médicos lhe reparassem a artéria aorta, a veia mais importante do corpo humano, responsável pelo transporte de sangue entre o coração e o resto do corpo. A meio do procedimento, os médicos verificaram que um […]

histórias

Escola troca mensalidades por recolha de plástico

Texto de Filipa Neto A questão ambiental tem vindo a ganhar cada vez mais visibilidade em todo o mundo. Um casal indiano decidiu fundar a Askar Foundation, em Assam, na Índia. Uma escola que incentiva a reciclagem, permitindo, ao mesmo tempo, o acesso gratuito da população mais carenciada ao ensino. A ideia surgiu quando os fundadores, Parmita Sarma e Mazin Mukhtar, se depararam com o facto de as salas de aula de Assam estarem cobertas por gases tóxicos cuja origem é provocada pela incineração de plástico. Uma prática comum para que a comunidade daquela região indiana se mantenha aquecida. Assim, […]