Chega

Chega

Chegou e venceu. Até onde vai André Ventura?

Extrema-direita ou apenas populista? Passado pouco mais de um ano de ser criado e de ter conseguido eleger um deputado, o Chega surge nas sondagens como terceira força política no espectro parlamentar e André Ventura em segundo lugar nas intenções de voto para as presidenciais. A história de um partido que atacou os ciganos, este sábado reelegeu o líder com 99,1% dos votos e referendou a pena de morte. [Notícia atualizada à 01.45 com resultados das diretas]

Premium

Política

Chega será próximo do PSD ou virá um "cordão sanitário"?

Rui Rio ganhou um novo aliado na eventual aproximação ao Chega. O líder do PSD da Madeira, Miguel Albuquerque, nem pede mais moderação ao partido de André Ventura como condição para o diálogo. Mas o tema continua a dividir os sociais-democratas e alguns querem um "cordão sanitário" para isolar os populistas. E há quem diga que é "extemporâneo" falar do assunto porque o que importa é fazer oposição ao governo, como diz Miguel Morgado, ex-assessor político de Pedro Passos Coelho.

Entrevista a Riccardo Marchi

"O Chega é um partido com rosto mas sem coluna vertebral"

Investigador do Centro de Estudos Internacionais do ISCTE, Riccardo Marchi investiga o radicalismo de direita. Observou o Chega desde a sua fundação, analisou o discurso do partido, entrevistou dezenas de militantes e fundadores e acompanhou toda a atividade até maio passado. O resultado foi um ensaio que nesta quinta-feira está nas bancas: A Nova Direita Anti-Sistema. O Caso do Chega, publicado pela Almedina.