Vírus Zika pode ser usado para tratar tumores no cérebro

"Este vírus ataca células muito importantes para o crescimento dos bebés e podemos agora usar isso para atacar tumores", afirmou o Dr. Michael Diamond

Segundo cientistas norte-americanos, o vírus Zika, que causa danos cerebrais em bebés, pode oferecer um surpreendente tratamento a tumores no cérebro em adultos.

O vírus tem sido visto como uma ameaça global para a saúde, mas numa pesquisa recente descobriram que pode infetar e eliminar células cancerígenas difíceis de matar e que estão no cérebro.

O tratamento com o Zika parece funcionar em amostras de células humanas em laboratório. O vírus é injetado e ataca os tumores agressivos, deixando as outras células do cérebro ilesas.

Segundo a BBC, ainda não existem provas humanas, mas os especialistas acreditam que o vírus pode ser injetado no cérebro ao mesmo tempo que decorre a cirurgia para remover os tumores malignos.

Dos vários tipos de cancro do cérebro que existem, o glioblastoma é o mais comum em adultos e um dos mais difíceis de tratar. A radioterapia, quimioterapia e a cirurgia podem não ser suficientes para remover cancros invasivos.

Pensa-se que as células do glioblastoma mesmo após os tratamentos agressivos continuam a crescer e a dividir-se, produzindo novas células cancerígenas.

Mas esta nova pesquisa, em ratos vivos e em amostras de tecido de cérebro humano doado, mostra que o tratamento com o Zika pode matar as células cancerígenas que tendem a resistir aos habituais tratamentos.

Os cérebros dos bebés têm células estaminais saudáveis em abundância, enquanto o cérebro adulto têm muito poucas o que explica que o tratamento com o vírus Zika em cérebros adultos destrua apenas as células estaminais cancerígenas sem causar danos colaterais.

A equipa da Escola de Medicina da Universidade de Washington e a Escola de Medicina da Universidade de Califórnia San Diego, como precaução, começaram a modificar o vírus para o tornar mais seguro.

"Depois de adicionarmos mais umas mudanças, penso que será impossível para o vírus alterá-las e provocar doenças", afirmou o Dr. Michael Diamond.

"Este vírus ataca células muito importantes para o crescimento dos bebés e podemos agora usar isso para atacar tumores", acrescentou.

Os cientistas esperam começar ensaios em humanos dentro de 18 meses.

Usar vírus para combater cancro não é uma ideia nova, mas usar o Zika como arma sim. Cientistas da Universidade de Cambridge iniciaram uma pesquisa semelhante com o mesmo vírus.

"Esta pesquisa promissora mostra que uma versão modificada do vírus Zika pode atacar células cancerígenas no cérebro em laboratório", disse a Dr. Catherine Pickworth, da Cancer Research UK.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG