Venda de alarmes a ourivesarias sobe após três assaltos em 18 dias

Roubos em Corroios, Ponte de Lima e Amoreiras terão sido cometidos por grupos diferentes, segundo PJ. Desde 2014 que este crime está a descer. Proprietários reforçam proteção

Os três assaltos à mão armada a ourivesarias no espaço de 18 dias deixaram o setor muito preocupado e a comprar alarmes. As tentativas de roubo frustradas em Corroios, a 27 de janeiro; em Ponte de Lima, no dia 3 deste mês; e o assalto consumado a uma relojoaria nas Amoreiras, no dia 13, estão a ser investigadas pela Polícia Judiciária, que aponta para grupos diferentes e modos de atuar distintos. Apesar destas situações, a PJ garante que no ano passado a tendência de diminuição deste tipo de assaltos - que se regista desde 2014 - se manteve. Todavia, não adiantou os números finais, frisando que irão constar no Relatório Anual de Segurança Interna (RASI).

Um dos líderes de mercado do setor da segurança privada, a Prosegur, disse ao DN ter registado, desde o início do ano, "um aumento dos pedidos para instalação de sistemas de alarme de grau três". Segundo um responsável pelo departamento de alarmes da Prosegur, a instalação destes alarmes mais sofisticados "é obrigatória em locais de médio e elevado risco, como é o caso das ourivesarias".

A ourivesaria Matos, em Ponte de Lima, não chegou a ser pilhada pelo grupo de assaltantes, precisamente por causa do sistema de segurança topo de grama que inclui a descida das grades, os vidros à prova de bala e a porta blindada. Os tiros de metralhadora disparados contra as montras não abriram passagem, pelo que o bando desistiu e fugiu do local, como se viu nas imagens de videovigilância divulgadas na altura.

2013 foi o ano, num período recente, com mais roubos registados: 90, segundo o RASI. Na altura o quadro legislativo para o setor foi alterado para obrigar os proprietários a adotar medidas de segurança. Em 2014, houve 46 assaltos e em 2015 foram 29.

Poucos investem em segurança

Mas a loja de Ponte de Lima será um caso de investimento em proteção raro. A visão da Associação de Empresas de Segurança (AES), que representa a Prosegur, a Esegur (também contactada pelo DN mas que não respondeu) e dezenas de outras firmas, é a de que ainda há muito desleixo por parte dos proprietários. "É verdade que, com a revisão de 2013 ao regime jurídico da atividade de segurança privada, passou a ser obrigatório, para as ourivesarias, adotarem determinadas medidas de segurança, designadamente sistema de videovigilância por câmaras de vídeo para captação e gravação de imagens e sistemas de deteção de intrusão. Todavia, continua a haver muitas ourivesarias que não possuem estes sistemas ou então têm-nos instalados mas não os ativam", referiu a AES, em resposta escrita ao DN.

Para aquelas empresas, a "poupança" acaba por sair caro, como tem sido demonstrado pelas notícias", sublinhou a associação. A AES lembra ainda que "o potencial lesivo deste tipo de criminalidade vai muito além do património de quem vê a sua ourivesaria assaltada. Projeta uma imagem de insegurança que afeta todos os cidadãos, com repercussões colaterais no comércio e turismo".

A Associação de Ourivesaria e Relojoaria de Portugal (AORP), que reúne mais de 470 proprietários, contraria a visão das empresas de segurança. "A maioria já têm instalações protegidas com videovigilância e retardamento de abertura de portas", referiu ao DN Fátima Santos, secretária-geral da AORP. E, se as "antigas empresas ainda questionam a lei, as novas já adotam as medidas sem questionar". Mas "muitos não têm seguro, porque as apólices custam largos milhares de euros".

Também João Carlos Brito, secretário-geral da Associação Portuguesa da Indústria da Ourivesaria (APIO), lembra que "é muito difícil fazer seguros, quer porque não existem no mercado produtos formatados para o setor quer porque são demasiado caros, ou porque ainda existe desconfiança dos empresários, que, quando os contratualizam e sucede algum sinistro, acabam por ter invariavelmente uma indemnização muito inferior ao prejuízo causado. Sabemos que há empresas que por esse motivo nem sequer têm seguro".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG