Universidade de Coimbra investiga propagação de grandes incêndios

Universidade de Coimbra vai realizar um estudo de investigação sobre incêndios florestais tendo já em vista a construção, com a ajuda da REN, de um túnel térmico que tem a capacidade de "estudar e caracterizar a interação entre o fogo e a atmosfera".

O Centro de Estudos sobre Incêndios Florestais da Universidade de Coimbra vai construir um túnel térmico, com apoio da REN - Redes Energéticas Nacionais, destinado a investigar a propagação de grandes incêndios, revelou esta sexta-feira aquela instituição de ensino superior.

De acordo com a Universidade de Coimbra, o túnel térmico a construir é "inovador a nível internacional".

"Tem a capacidade de gerar um escoamento do tipo de camada limite atmosférica, com gradientes verticais de temperatura e de velocidade, que permitirão estudar e caracterizar a interação entre o fogo e a atmosfera em condições muito diversas, mas que se podem encontrar em alguns grandes incêndios, e contribuir assim para uma melhor compreensão do seu desenvolvimento", informou o coordenador do Centro de Estudos sobre Incêndios Florestais, Domingos Xavier Viegas.

Este equipamento, que contou com um "importante donativo da REN" para a sua aquisição, "deverá entrar em funcionamento dentro de alguns meses".

O professor catedrático da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra (FCTUC) realçou também que, nos últimos anos, o CEIF tem dado especial atenção ao estudo do comportamento extremo dos incêndios florestais, apontando o seu caráter dinâmico, resultante da interação entre o fogo e a atmosfera.

"É reconhecido que a estrutura vertical da atmosfera, que define o seu grau de estabilidade ou instabilidade térmica, deverá condicionar esta interação entre o fogo e o meio ambiente, mas não se conhece ainda bem o modo como o faz", acrescentou.

Com a construção deste túnel térmico pretende-se "compreender melhor como atuam estes processos, se favorecendo ou inibindo as correntes ascensionais, que poderão por sua vez potenciar o desenvolvimento mais ou menos rápido de um incêndio".

Sobre o apoio à compra do equipamento, o administrador executivo da REN, João Faria Conceição, indicou que é "mais um passo para a compreensão e prevenção dos grandes incêndios que assolam o país anualmente", especialmente num período de seca como o que se atravessa.

"Sendo a REN responsável pela gestão e limpeza de milhares de hectares, é do interesse da empresa contribuir para a investigação e prevenção das florestas nacionais, aumentando a sua resiliência e permitindo um combate mais eficiente dos incêndios", concluiu.

Segundo a Universidade de Coimbra, a REN tem vindo a apoiar a atividade de investigação que o CEIF tem desenvolvido no estudo do comportamento dos incêndios florestais e da melhoria da segurança pessoal, no âmbito da sua estratégia de sustentabilidade, nomeadamente o pilar da proteção ambiental.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG