Turismo em Lisboa vai bater recordes com novo terminal de cruzeiros

Projeto de Carrilho da Graça vai possibilitar a chegada de mais navios. Ministra do Mar garante repercussão na economia

Queen Victoria, Jewel of the Seas e o MSC Poesia. Estes são os três navios de cruzeiros que ficam na história do turismo de Lisboa, pois vão apadrinhar a inauguração do novo terminal de cruzeiros da capital, estrutura que vai permitir a entrada recorde de passageiros e navios no próximo ano. A estimativa da Administração do Porto de Lisboa aponta para que 617 mil turistas entrem em Lisboa pelo porto.

Da autoria do arquiteto Carrilho da Graça, a infraestrutura e todas as intervenções em redor representaram um investimento de 77 milhões de euros - 54 por parte da Administração do Porto de Lisboa e 23 por parte da Lisbon Cruise Terminals, o concessionário da estrutura. Na opinião da ministra do Mar, a importância do novo terminal "é essencial para o início de um novo ciclo qualitativo nesta atividade, que passará a ter um incremento significativo nos cruzeiros de turnaround, ou seja, os cruzeiros que iniciam e terminam as suas viagens em Lisboa". Para Ana Paula Vitorino, "tal significa que, ao contrário dos cruzeiros de escala, que atualmente são a esmagadora maioria, esta nova infraestrutura torna-nos competitivos num segmento com maior valor acrescentado, uma vez que potenciará a utilização de outros meios de transporte, de hotelaria e de uma maior permanência em Lisboa e no país."

Segundo os responsáveis do Porto de Lisboa, 2018 será de recordes: devem ser efetuadas 361 escalas de navios, com mais de 600 mil passageiros. Ou seja, uma subida de, respetivamente, 8% e 18% em relação a este ano. E ultrapassando o ano de 2013, pois chegaram ao Porto de Lisboa 558 040 passageiros e registaram-se 353 escalas.

Um aumento que, como salienta Ana Paula Vitorino, terá repercussão na economia e que se prende "com o valor do emprego direto e indireto gerado, os consumos e o abastecimento dos navios, bem como com as prestações de serviço associadas ao negócio, as excursões efetuadas no país e o interesse por um regresso para uma estadia mais prolongada."

Com a presença do primeiro-ministro, António Costa, da ministra do Mar, do presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina, e dos administradores das empresas que gerem o terminal, a cerimónia de inauguração vai decorrer pelas 10.00 e incluirá uma visita ao projeto de Carrilho da Graça.

O edifício tem, por exemplo, 13 800 metros quadrados de instalações e três pisos, um terraço panorâmico, mais de 400 lugares de estacionamento e instalações de embarque e desembarque para 4500 passageiros. Condições melhores do que as do anterior terminal.

Mais dormidas na cidade

"O terminal vai aumentar a capacidade [de Lisboa] em receber cruzeiros e passageiros com mais qualidade e condições que atualmente não tínhamos. Ganhamos qualidade", reforçou ao DN o diretor-geral da Associação de Turismo de Lisboa, Vítor Costa.

Para este responsável, a nova estrutura pode potenciar a ocupação dos hotéis e o retorno financeiro sentido na cidade pode aumentar em relação aos dados que existem atualmente, que mostram que cada turista que chega a Lisboa num navio e que passa uma média de nove horas na cidade gasta entre 50 e 60 euros. Como as previsões apontam para que cheguem ao Porto de Lisboa mais de 500 mil passageiros, a verba que podem gastar rondará os 30 milhões de euros.

Tal como a questão dos hotéis: "O novo patamar em que vamos inserir-nos é que além deste consumo ainda pode ter impacto na hotelaria, pois os passageiros podem ficar mais uma noite em Lisboa." O que seria uma mais-valia para o setor a juntar aos restantes turistas, por exemplo, até agosto, os hotéis da cidade receberam quatro milhões de turistas.

Requalificação da cidade

A construção do terminal - cuja primeira fase se iniciou em abril de 2007 e a segunda em outubro de 2008 - promoveu, igualmente, a reconversão da zona junto ao rio em Santa Apolónia, como destacou ao DN o secretário-geral da ATL. "Há uma valorização urbanística da cidade com este projeto de arquitetura. Uma excecional ligação da cidade ao rio. É um ganho inequívoco, no seguimento de outras intervenções como o Terreiro do Paço, Ribeira das Naus. A cidade está a ficar espetacular", concluiu.

Ana Paula Vitorino salienta o facto de o Terminal de Cruzeiros ser estratégico para "reafirmar o Porto de Lisboa enquanto referência internacional de excelência no mercado de cruzeiros, potenciando a capacidade de atração de um segmento de grande potencial de crescimento que é a atividade de cruzeiro".

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG