Encontrados os corpos das três mulheres brasileiras desaparecidas em Cascais

As três mulheres encontradas mortas numa fossa em Tires estavam desaparecidas há meses

As autoridades encontraram, esta sexta-feira, nas imediações de um hotel para cães e gatos em Tires, no concelho de Cascais, os corpos de três brasileiras desaparecidas há vários meses, disse à Lusa o comandante dos Bombeiros da Parede, Pedro Araújo.

Segundo disse ao DN o mesmo responsável, esta operação é resultado de uma investigação, em cooperação com a Polícia Judiciária, que já dura há largos meses. As autoridades procuravam as três cidadãs brasileiras dadas como desaparecidas em fevereiro: Michele Santana Ferreira, 28 anos, Lidiana Neves Santana, 16 anos, e Thayane Mendes Dias, 22 anos.

Entretanto, os corpos já foram transportados para o Instituto de Medicina Legal de Lisboa, fez saber o comandante.

"Pelo menos acabou a agonia e o tormento de não saber onde estavam", contou ao DN Solange Santana, mãe de Michele e de Lidiana. A partir de Minas Gerais, ao telefone com o DN, Solange disse que ainda não tinha sido contactada pela Polícia Judiciária portuguesa.

Michele Ferreira estava grávida de três meses do brasileiro Dinai Alves Gomes, presumível autor dos crimes, que, se encontra no Brasil, mas ainda não foi detido. O suspeito já foi ouvido durante a investigação mas nunca adiantou nenhuma informação sobre o paradeiro das jovens.

O comandante explicou que outros poços da mesma quinta já tinham sido investigados, mas que nenhum corpo tinha sido até então encontrado.

Em Lisboa, há oito anos

Segundo revelou ao DN uma amiga das mulheres em causa, Michele já morava em Portugal há mais de oito anos. Lidiana, irmã, juntara-se a Michele em São Domingos de Rana, Cascais, a 29 de novembro de 2015 e Thayane, namorada da Lidiana, a 28 de janeiro de 2016.

Na mesma localidade, morava Dinai Alves Gomes, então funcionário do hotel de cães e gatos em Tires com quem Michele mantinha uma relação amorosa. Após o desaparecimento das três jovens, o homem voltou para o Brasil sem dar informações aos patrões, conta a amiga. Lá ainda será casado legalmente com uma mulher com quem tem um filho. É ainda pai de outra criança nascida de uma relação com outra brasileira, natural da mesma cidade que Michele, que neste momento também está no Brasil.

Michele Ferreira, que trabalhava como empregada doméstica, estava a tentar obter cidadania portuguesa, quando desapareceu. Thayane tinha vindo trabalhar numa cresce, na zona de Lisboa.

Nos últimos meses, a família e os amigos das três jovens encontradas mortas tinham usado o Facebook para apelar à procura das mulheres em causa e de Dinai Alves Gomes.

As autoridades brasileiras chegaram mesmo a suspeitar que o desaparecimento das jovens estaria ligado ao tráfico internacional de pessoas.

À mãe, o namorado de Michele tinha explicado, dias depois de as irmãs deixarem de dar notícias, que as três mulheres estavam bem e que iriam estudar em Londres, Reino Unido. Dinai contou, na altura, que Michele se demitira e tinha eliminado a sua conta no Facebook para não ser encontrada pela ex-patroa, relembra o Globo, uma história na qual, a família da jovem grávida, não acreditou.

De acordo com o Diário do Rio Doce, a desconfiança dos familiares cresceu, quando a Interpol divulgou a informação de que não havia qualquer registo da saída das jovens do território português e da sua entrada no Reino Unido.

No mesmo jornal, a família acrescenta que uma amiga tinha confessado que o namorado costumava ser agressivo com a brasileira em questão. Michele e Lidiana eram naturais de Campanário, no Vale do Rio Doce, Minas Gerais. Thayane, por sua vez, tinha vindo do estado brasileiro do Espírito Santo.

Roubada e agredida, em outubro

Vinicius Santana Ferreira, irmão de Michele e Lidiana, contou, ao referido órgão de comunicação, que, em outubro, a namorada de Dinai tinha sido agredida na rua, três dias depois de ter sido pedida em casamento pelo brasileiro. Na ocasião, nenhum pertence de Michele foi levado.

Os seus documentos e os papéis do casamento foram, no entanto, roubados, quando, no mesmo mês, forçaram a entrada na residência das jovens.

A Michele, que, segundo uma amiga, foi à esquadra relatar as ocorrências, foi dito que o autor do roubo teria sido provavelmente uma pessoa conhecida e com acesso ao apartamento.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG