"Tornava obrigatório seis meses de Erasmus no ensino superior"

"É muito português esta disponibilidade para receber os outros e tem sido uma vantagem. Somos um povo que despe a camisa para dar aos outros. Temos muito que pôr essa capacidade, quase inata, a render". Opinião de João Armando Gonçalves, professor universitário/ ex-líder do comité mundial dos escuteiros

Chefiou 40 milhões de escuteiros de todo o mundo nos últimos três anos e dessa experiência ficou a certeza de que "os seres humanos são todos iguais". João Armando Gonçalves é engenheiro civil e professor no Instituto Politécnico de Coimbra. Durante o tempo em que liderou 40 milhões de escuteiros ainda conseguiu acabar o doutoramento, mas admite que ficou com menos tempo para os alunos. "Só foi possível com enorme colaboração dos meus alunos, colegas e da escola."

Nos próximos tempos, João Armando quer apenas "descansar" e poder "partilhar a experiência interna e externamente". "O mais marcante, em termos pessoais, foi a sensação de que no fundo, naquilo que é essencial os seres humanos são todos iguais, apesar da diversidade." Uma ideia reforçada pelas viagens que fez e as pessoas que conheceu. "Acredito que as manifestações de intolerância, de medo e de receio, só existem porque não nos damos ao trabalho de conhecer quem está do outro lado, porque quando conhecemos as pessoas vemos que elas são como nós e nós como elas, a humanidade é comum a todos", defende.

É, por acreditar que os problemas se resolvem se assumirmos que "temos uma humanidade comum", que o professor universitário tem como ideia para o país um Erasmus obrigatório de seis meses para estudantes do ensino superior, "pelo menos". "Um Erasmus obrigatório para arejar a cabeça fora do país e entender o que o mundo é uma realidade diferente, levava os jovens a conhecer outras pessoas, partilhar com elas momentos mais informais. Os jovens iam perceber que o mundo é mais pequeno do que a gente pensa e isso abrir-nos-ia como país ao mundo. Ouvir os outros e seremos agentes dessa construção de pontes com outras pessoas, traia mais valias importantes ao país."

A presidência do Comité Mundial da Organização Mundial do Movimento Escutista foi um cargo que ocupou de forma voluntária, depois de 40 anos como escuteiro. O local onde também conheceu a mulher e que os três filhos também frequentaram. E é também à família que João Armando Gonçalves agradece pelo apoio. "Teria sido quase impossível, sem eles. Foi um exercício de equilíbrio, perdi coisas, mas acho que no balanço final a família percebeu que estava a fazer algo importante."

No caso dos escuteiros, o papel que desempenhou foi o de incentivar os jovens a mudar o mundo. "O movimento mostrou uma grande unidade. Precisamos de gente de boa vontade e que queira fazer coisas boas. Que acreditem que podem mudar o mundo a partir do seu quintal."

Mudar um mundo em que a União Europeia tem que se afirmar cada vez mais. "Principalmente quando um país que estávamos habituados ver como líderes do mundo livre já não o é. Temos de ser positivos e construtivos. A Europa é um espaço diversificado, mas há uma cultura que nos une a todos, e por isso podemos assumir-nos, de forma positiva, como líderes do mundo livre, da diversidade, da aceitação. Precisamos de faróis para onde os povos possam olhar e sermos luz de esperança para povos onde a vida é mais a preto a branco."

Nessa abertura, João Armando não esconde o orgulho por fazer parte de um povo que está sempre disponível para acolher quem se refugia na Europa da guerra na sua casa. "É muito português esta disponibilidade para receber os outros, para ouvir e tem sido uma vantagem ao longo dos tempos." Um talento que os portugueses deviam "por a render". "Esta curiosidade de conhecer os outros, de dar oportunidade de estar com eles, ultrapassar a barreira inicial da desconfiança. Somos um povo que despe a camisa para dar aos outros, temos muito que pôr essa capacidade, quase inata, a render."

Nascido na Figueira da Foz há 53 anos, João Armando vai agora dedicar-se às aulas e "à investigação", já que espera ter "a serenidade e o tempo" para tal. "Consegui acabar o doutoramento durante o tempo em que estive no Comité, mas não dei continuidade à investigação." João Armando Gonçalves agradece ainda o facto de ter viajado muito e ter conhecido cidades que agora pode usar como exemplo nas aulas de urbanismo - "fiquei com outro conhecimento de certos sítios".

O escutismo como dirigente acabou, depois de seis anos em que esteve primeiro como membro do Comité Mundial e depois como presidente, posições em que foi o primeiro português, mas João Armando quer continuar a ajudar o movimento. "Continuarei ligado ao escutismo, mas numa posição informal."

Fora de questão está desligar-se do movimento, onde chegou aos 13 anos atraído "pelo espaço de grande liberdade pessoal que havia nos escuteiros". "Foi isso que me fez permanecer" e agora, que volta às bases, por assim dizer, talvez tenha tempo de voltar aos acampamentos, que tinha abandonado por falta de tempo. Em Portugal, existem cerca de 58 mil escuteiros entre os 6 e os 22 anos e mais 14 mil adultos coordenadores voluntários.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG