Temos 26 casos de sarampo. "É uma obrigação vacinar as crianças"

Francisco George e o pediatra Mário Cordeiro entendem que os pais que não vacinam os filhos deviam ser punidos. Mesmo com 15 casos confirmados e 11 em investigação "não é possível impor a vacinação", diz o Diretor de Saúde

Portugal enfrenta uma "epidemia de sarampo, com mais casos do que os que eram esperados", garantiu ontem o diretor geral de Saúde (DGS), Francisco George. Há 15 doentes confirmados e 11 em investigação, na maioria crianças e todos eles portugueses (não importados). "Se os 11 em investigação forem confirmados pelo Instituto Ricardo Jorge, ficaremos a ter 26 casos que provavelmente ainda vão aumentar. Mas não vamos temer uma epidemia de grande escala. A maioria da população está protegida com a vacina", afirmou Francisco George, aos jornalistas.

O único caso de "perigo de vida", é o de uma jovem de 17 anos que foi contagiada no hospital de Cascais por um bebé de 13 meses não vacinado, e que está agora a ser acompanhada no hospital D.Estefânia, em Lisboa, em quarto isolado. Francisco George lançou ontem o debate sobre a "obrigação moral de os pais vacinarem os filhos" e defendeu até queaqueles que não o fazem sejam penalizados. "A decisão dos pais em não vacinar as crianças põe em risco a vida das crianças", sublinhou. A primeira toma da vacina do sarampo deve ser aos 12 meses e garante logo 95% de imunidade, a segunda deve ocorrer aos cinco anos, afirmou o diretor geral de Saúde.

Francisco George não vai recomendar que o plano nacional de vacinação se torne obrigatório "porque essa é uma questão política, de direitos, liberdades e garantias" mas entende que deve haver debate. "É preciso perceber se os direitos em termos de garantias individuais, de liberdade, se sobrepõem ao interesse coletivo. É uma questão que tem de ser debatida. Aliás, já foi, no passado, nas nunca se resolve". O pediatra Mário Cordeiro participou no primeiro debate, há duas décadas, quando houve o último surto epidémico de sarampo. "Há cerca de 20 anos, o meu parecer na Direção Geral de Saúde foi que as vacinas não deviam ser obrigatórias, mas que os pais, por verem nelas uma coisa boa, ver-se-iam na "obrigação moral de vacinar os filhos", afirmou.

Pais devem ser responsabilizados

Mário Cordeiro considera que os pais que não vacinam os filhos "deviam ser responsabilizados a nível penal porque incorrem no crime de homicídio por negligência" em caso de morte das crianças. Mas não defende a obrigatoriedade legal da vacinação. "Não devem ser obrigatórias. Verifiquei que não se ganhava em eficácia, pelo contrário, pode gerar uma reação "do contra". Por outro lado, a averiguação da responsabilidade quem a faria, nesses casos? Dos pais, do patrão que não deixou o trabalhador sair mais cedo para ir vacinar os filhos?, etc", questiona. Em França, durante um tempo, quem não vacinasse e não fosse com os filhos à vigilância de saúde perdia o abono de família, recordou. "Viu-se que a medida penalizava os mais fracos, os mais pobres, os menos informados, e que era socialmente injusta".

É médico e não vacinou a filha

Francisco Patrício, médico de clínica geral há 40 anos e presidente da Sociedade Médica Homeopata de Portugal, é contra a vacinação e decidiu, em consciência, não vacinar de todo a sua filha de dois anos e meio. "Há cerca de uma semana, a minha filha teve escarlatina por causa de um surto que houve na creche. Utilizei um combinado de beladona e acónito (duas plantas) para baixar a febre. E resultou, a febre desceu", contou.

Enquanto o sarampo é produzido por um vírus, a escarlatina é causada por uma bactéria. Mas segundo Francisco Patrício, ambas podem ser combatidas com tratamentos homeopáticos "sendo que um tubo de homeopatia custa apenas 3,5 euros". Mas ressalva: "Ainda não tenho fundamentos para dizer :"Não vacinem os vossos filhos"".

Dos 15 casos confirmados em Portugal, sete surgiram no Algarve e seis tiveram origem em Cascais (cinco funcionários do hospital de Cascais- dois deles médicos - e uma jovem de 17 anos internada em estado grave no hospital Dona Estefânia, em Lis boa). O foco de contágio em Cascais foi o bebé de 13 meses. Maria João Brito, diretora do departamento de infecciologia do D.Estefânia, adiantou aos jornalistas que em casos graves o sarampo pode provocar problemas respiratórios e neurológicos. E que em situações epidémicas extremas pode haver vacinação antes dos 12 meses mas que Portugal não está ainda nessa fase.

"Está a ser estudada a ligação dos surtos do Algarve e Cascais. Mas há bolsas de cidadãos estrangeiros que permitem a circulação do vírus" no país, lembrou, por sua vez, o diretor geral de Saúde, Francisco George.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG