Tatuagem que muda de cor para controlar diabetes

Tinta é alterada de acordo com os níveis de açúcar e indica nível de sódio e pH

Uma tinta especial que muda de cor consoante as variações nos níveis de açúcar pode ser o novo método de controlo da diabetes, que facilitaria em muito a rotina de quem tem de monitorizar diariamente a glicemia. Esta tatuagem é o resultado de uma investigação da Universidade de Harvard e do Instituto de Tecnologia de Massachusetts, nos Estados Unido, que procurou tornar o corpo humano uma forma interativa de viver com a doença.

A tatuagem é composta por um tipo de tinta específico que permite detetar os níveis de sódio e pH no sangue, reagindo a esses valores com alterações de cor. A DermalAbyss - nome atribuído pelos investigadores a esta tinta - inclui biossensores de modo a conseguir alterar a cor de acordo com as variações no fluido intersticial (localiza-se entre as células e é composto de açúcar, ácidos gordos, neurotransmissores e aminoácidos). Como o excesso do fluido intersticial é conduzido para as paredes dos capilares linfáticos, a tinta consegue detetar os níveis de açúcar no corpo.

"A DermalAbyss cria um acesso direto aos compartimentos no corpo e reflete processos metabólicos internos em forma de tatuagem. Pode ser usada para aplicações de monitorização contínua, diagnóstico médico e perceção dos níveis no corpo", explica o comunicado da investigação do Instituto de Tecnologia de Massachusetts.

As tatuagens aplicadas com esta tinta especial apresentam três alterações de cor, cada uma delas com uma informação para o doente.

O sensor da glicose (açúcar) altera a cor de azul para castanho, o sensor do pH provoca uma alteração de roxo para cor-de-rosa e um terceiro sensor que mede o sódio e reage à luz UV com um aumento da intensidade da cor, ficando o verde mais vibrante de acordo com a concentração do sal.

"Atualmente, durante as atividades diárias e os hábitos alimentares, os diabéticos precisam de controlar os níveis de glicose picando a pele três a dez vezes por dia. Com a DermalAbyss imaginamos o futuro, em que o procedimento doloroso é substituído por uma tatuagem. Assim, o diabético pode monitorizar as mudanças de cor e a necessidade de insulina", explica o comunicado do Instituto de Tecnologia de Massachusetts.

Esta tinta já foi testada em pele de porco, animais com a pele muito semelhante à dos humanos, e revelou-se eficaz. A tatuagem ainda não iniciou a sua fase de testes em humanos.
A tatuagem inteligente combina os avanços na biotecnologia com os métodos tradicionais em arte de tatuagem, refere o documento do Instituto de Tecnologia de Massachusetts.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...