TAP reembolsa grávidas com voo marcado para países afetados pelo zika

Transportadora aérea já pulveriza aviões contra mosquito vetor em destinos assinalados. DGS confirma seis casos

A TAP vai reembolsar as mulheres grávidas que desistam de voos com destino a países com o vírus zika. A garantia foi dada ao DN por André Serpa Soares, do gabinete de comunicação da companhia.

"Passageiras comprovadamente grávidas - se necessário, com atestado médico -, caso não pretendam viajar para destinos onde estejam a existir surtos do vírus, a TAP procede ao reembolso", confirmou, acrescentando que podem também ser pedidos "vouchers para utilizar mais tarde".

Na América Latina, de acordo com a OMS, já foram detetados casos de transmissão do vírus em 23 países (ver texto ao lado), viajando a TAP para três deles: Brasil, Colômbia e Venezuela. Outro destino da TAP também já com casos de transmissão confirmados é Cabo Verde.

No que respeita às precauções tomadas com os aviões que partem destes destinos para Portugal, o responsável do gabinete de comunicação da TAP confirmou também que a empresa já tem implementadas medidas de precaução contra o mosquito vetor da dengue (aedes aegypti), que é o mesmo responsável pela transmissão do zika a humanos.

"Há muito tempo que, para destinos onde existam surtos de dengue, incluindo a Madeira, a TAP segue todas as recomendações da Direção-Geral da Saúde [DGS] e da OMS, nomeadamente a pulverização da cabina do avião com um inseticida eficaz contra o mosquito mas inócuo para a saúde humana." Ainda assim, acrescentou, "a TAP adotará de imediato o que sejam as novas recomendações das autoridades".

A DGS confirmou ontem, em comunicado, o sexto caso conhecido em território português, tendo todos eles sido "importados da América do Sul". A autoridade de saúde tranquiliza no entanto a população, lembrando que o mosquito vetor "desde há muito que não existe no continente português" e que, "uma vez que, em regra, a doença não se transmite de pessoa a pessoa, não haverá risco de formação de cadeias de transmissão".

Exclusivos

Premium

Liderança

Jill Ader: "As mulheres são mais propensas a minimizarem-se"

Jill Ader é a nova chairwoman da Egon Zehnder, a primeira mulher no cargo e a única numa grande empresa de busca de talentos e recursos. Tem, por isso, um ponto de vista extraordinário sobre o mundo - líderes, negócios, política e mulheres. Esteve em Portugal para um evento da companhia. E mostrou-o.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.