Submarino Arpão larga para o Mediterrâneo em missões da NATO e UE

Os submarinos portugueses participam em operações da NATO e da União Europeia desde 2018.

O submarino da Marinha portuguesa Arpão larga na sexta-feira da Base Naval de Lisboa para participar por dois meses em missões da NATO e da União Europeia, visando a segurança marítima do Mediterrâneo.

Com uma guarnição de 33 militares, o submarino Arpão estará na Operação Sea Guardian sob o comando direto das estruturas da NATO, "revelando o firme comprometimento do Estado português para com a Aliança Atlântica, disponibilizando uma unidade naval de alto valor operacional, tendo em vista contribuir decisivamente para melhorar a situação securitária marítima no Mediterrâneo", afirma a Marinha, em comunicado.

A Operação Sea Guardian visa promover a segurança marítima no Mediterrâneo "de forma a garantir a liberdade de navegação e o conhecimento situacional da área, com foco nas atividades de tráfico de estupefacientes, armas e pessoas, vigilância do tráfego marítimo e e poluição marinha", assinala o ramo.

De acordo com a Marinha, a força naval nesta operação da Aliança Atlântica é atualmente comandada pelo Capitão-de-mar-e-guerra Neves Rodrigues e tem como navio-chefe o Navio Patrulha Oceânico "Viana do Castelo".

Em seguida, o submarino português irá participar na Operação da União Europeia IRINI, cujo objetivo é a aplicação do "embargo ao armamento imposto pela ONU" em áreas específicas da costa Norte da África Central.

No comunicado, a Marinha afirma que "embargo é realizado com recurso à utilização de tecnologia satélite, meios aéreos, navais e inspecionando navios no alto mar, quando há suspeita de transportarem armamento ou materiais proibidos".

"A capacidade de recolha de informações de forma discreta, permite detetar e enviar informações relativas a atos ilícitos ou suspeitos para os respetivos comandos das operações, contribuindo para estabelecer e melhorar e o conhecimento situacional marítimo do Mar Mediterrâneo, nos comandos da Aliança Atlântica e da União Europeia", sublinha aquele ramo militar.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG