"Só 1% dos casos ocorrem em homens. Perguntava-me: Porquê eu?"

Como é associado às mulheres, os homens demoram a pedir ajuda e quando chegam ao médico já está em estado avançado

Guilherme Caetano habituou-se a pensar, tal como a maioria das pessoas, que o cancro da mama só afeta as mulheres. Estava longe de imaginar que em janeiro deste ano seria confrontado com tal diagnóstico. "Senti-me muito mal quando a médica me disse que era um tumor maligno da mama. Só 1% dos casos ocorrem em homens. Perguntava-me: Porquê eu?", recorda ao DN o reformado, de 68 anos.

Tudo começou quando se apercebeu que tinha "o mamilo um pouco recolhido" e um nódulo na mama. Fez ecografias, mamografias. "Mas os exames não eram conclusivos". Desconfiado que algo de errado se passava, dirigiu-se à CUF. Dois dias depois tinha o diagnóstico. Estava no nível três.

Quando chegou à consulta da mama, era o único homem. "No início ocultei um pouco das outras pessoas, mas depois vi que era útil saberem". Começou imediatamente a fazer quimioterapia. Com ela, os efeitos secundários. "A queda do cabelo, das sobrancelhas, das pestanas foi outro trauma". Mentalizou-se que tinha de encarar o problema de frente: seguir à risca a medicação, ter cuidados com a alimentação. "Na fase final fiz a cirurgia [mastectomia] e depois entrei na radioterapia", lembra.

Guilherme é um dos 11 homens que passaram pela Unidade da Mama do Instituto CUF de Oncologia, em Lisboa, nos últimos 10 anos. A coordenadora, Ida Negreiros, confirma que apenas 1% dos casos são diagnosticados em homens: "É uma patologia pouco prevalente". Mas é preciso falar dela. "Porque os doentes não estão despertos para o cancro da mama no homem". Nem os próprios profissionais de saúde. Como tal, quando ocorre uma alteração na mama, os homens não pensam imediatamente que pode ser cancro. "Por isso, chegam um pouco mais tarde às consultas. Isso faz com que o prognóstico seja um pouco pior".

Como é uma doença associada às mulheres, a oncologista admite que "o constrangimento está muito presente" quando o homem recebe o diagnóstico.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG