RTP avança com queixa-crime contra culpados de agressões a jornalistas

Equipa da estação pública foi agredida no exterior de uma escola em Marvila

A Direção de Informação da RTP condenou hoje "com veemência" as agressões a dois jornalistas do canal público, adiantando que já avançou com uma queixa-crime na expetativa que os culpados sejam identificados e punidos.

Em comunicado, a Direção de Informação da RTP considera que "a agressão a um jornalista é um ato inaceitável e cobarde", acrescentando que "não pode deixar de condenar com veemência as agressões, atentatórias da liberdade de informação, que mais não visam do que condicionar o exercício do jornalismo".

Um repórter de imagem da RTP foi agredido no exterior de uma escola em Marvila, em Lisboa, alegadamente por familiares de uma criança envolvida num suposto caso de violação entre alunos, disse anteriormente à Lusa fonte policial.

Segundo o Comando Metropolitano de Lisboa da PSP (Cometlis), a equipa da RTP, composta por uma jornalista e um repórter de imagem, foi agredida na quinta-feira no exterior da Escola Básica dos Lóios, na freguesia de Marvila, onde se deslocou para realizar uma reportagem na sequência de suspeitas relacionadas com "a eventual violação de um menor por outro menor", alunos daquele estabelecimento de ensino.

Pouco tempo depois de chegar ao local, a equipa da RTP terá sido abordada por familiares do aluno suspeito da violação, tendo "agredido o repórter de imagem" que teve de receber tratamento no Hospital de São José, relatou o Cometlis.

Neste contexto, a Direção de Informação da RTP adianta que já solicitou ao departamento jurídico que acionasse uma queixa-crime, porque "é de um crime que se trata, esperando que os culpados sejam identificados e punidos".

Já na quinta-feira, o Sindicato de Jornalistas (SJ) condenou veementemente a agressão sofrida por dois jornalistas da RTP.

Exclusivos

Premium

Livro

Antes delas... ninguém: mulheres que desafiaram o domínio masculino

As Primeiras - Pioneiras Portuguesas num Mundo de Homens é o livro com as biografias de 59 mulheres que se atreveram a entrar nas profissões só de homens. O DN desvenda-lhe aqui oito dessas histórias, da barrista Rosa Ramalho à calceteira Lurdes Baptista ou às 'Seis Marias' enfermeiras-paraqueditas, entre outras