Produtividade perdida devido ao cancro de mama ultrapassa 1,1 milhões de euros

Estudo estimou a produtividade perdida devido ao cancro da mama para aqueles que estiveram de baixa durante pelo menos um dia, convertendo o número de dias de baixa em horas de trabalho perdidas, e para os que continuaram a trabalhar após o diagnóstico

A produtividade perdida no último ano devido ao cancro de mama foi superior a 1,1 milhões de euros, segundo um estudo divulgado esta quarta-feira.

O trabalho, desenvolvido a pedido da Liga Portuguesa contra o Cancro (LPCC) para perceber o impacto social, profissional e económico do cancro da mama, calculou em 1.127.921.276Euro a produtividade perdida no último ano, por baixas médicas ou faltas ao trabalho.

O estudo estimou a produtividade perdida devido ao cancro da mama para aqueles que estiveram de baixa durante pelo menos um dia, convertendo o número de dias de baixa em horas de trabalho perdidas, e para os que continuaram a trabalhar após o diagnóstico, mas faltaram ao trabalho pelo menos uma vez.

Para os que estiveram de baixa, o estudo indica 839 horas de trabalho perdidas por doente, num total de 1.113.264.422 euros de produtividade perdida em Portugal no último ano (19.960Euro/doente) e para os que continuaram a trabalhar, mas faltaram pelo menos um dia, aponta para 82 horas perdidas/doente, num total estimado de 14.656.854Euro (1.954Euro/doente).

A produtividade perdida foi igualmente calculada para os acompanhantes dos doentes, com o estudo a estimar em mais de 248 milhões de euros (9.692Euro/pessoa) o impacto deste absentismo laboral.

Segundo o estudo, quase metade (45,8%) dos doentes disse que vai ao hospital acompanhado e, nestes casos, 69% dos acompanhantes trabalham.

O cancro da mama acarreta custos diversos para os doentes, sendo as consultas particulares e os medicamentos os principais. Os dados do estudo indicam que, no último ano, estes valores rondaram 907,87Euro/doente.

Os custos mais elevados são atribuídos a consultas no setor privado (298,07 Euro), seguidas dos medicamentos (152,50 Euro), os tratamentos não convencionais (106,27 Euro), próteses (79,24 Euro), roupa (55,86Euro) e custos de idas ao hospital (22,71Euro).

Há ainda um outro grupo de custos (193,22Euro) que envolvem a compra de cremes, sutiã cirúrgico, manga elástica, turbantes/chapéus, exames, tratamentos e fisioterapia.

O estudo, que teve o apoio da Roche e envolveu 1.000 inquéritos junto de 1.000 pessoas (97% mulheres) que têm ou já tiveram cancro de mama, conclui ainda que a saúde destas pessoas "é consideravelmente pior" do que a da população portuguesa relativamente às atividades habituais e, sobretudo, nas dimensões dor/mal-estar e ansiedade.

Os resultados são esta quarta-feira apresentados no Centro Cultural de Belém, em Lisboa.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG