PR valoriza classificação de barro de Bisalhães e falcoaria

A olaria negra de Bisalhães e a falcoaria portuguesa são Património da Humanidade

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, publicou hoje duas notas na página na Internet onde valoriza a decisão da Unesco de classificar a olaria negra de Bisalhães e a falcoaria portuguesa como Património da Humanidade.

No que refere à arte da falcoaria, o chefe de Estado felicitou o município de Salvaterra de Magos e assinalou: "Na sequência de outras decisões recentes, trata-se de um incentivo para o reconhecimento de uma prática ancestral, que neste caso remonta à Idade Média, e que importa preservar".

Já no que toca ao barro preto de Bisalhães, Marcelo Rebelo de Sousa congratulou Vila Real e declarou que esta distinção é "tanto mais importante quanto esta olaria transmontana, com raízes quinhentistas, se encontra ameaçada de extinção".

E deixou um apelo: "Que a escolha da Unesco seja um incentivo para que se preserve uma atividade que já era, aliás, Património Cultural Nacional".

A Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) aprovou as candidaturas do "processo de confeção do barro preto de Bisalhães", apresentada pelo município de Vila Real, e "Falcoaria, património vivo da humanidade", liderada pela Câmara Municipal de Salvaterra de Magos, durante a 11.ª sessão do Comité do Património Cultural Imaterial, em Adis Abeba, na Etiópia.

Estes foram, respetivamente, o 5.º e o 6.º bens a serem classificados como património imaterial da Humanidade, seguindo-se ao fado (o primeiro bem de Portugal a integrar esta lista, em 2011), à dieta mediterrânea, ao cante alentejano e ao processo de fabrico do chocalho.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.