Portugal em contacto com familiar da portuguesa morta na Alemanha

Quando as autoridades alemãs concluírem as investigações, a Secretaria de Estado das Comunidades vai apoiar na transladação do corpo

O Governo português está em contacto com um familiar da portuguesa de 43 anos que foi encontrada morta e com o "corpo desmembrado" em Leipzig, na Alemanha, disse hoje à Lusa fonte oficial.

"A Secretaria de Estado das Comunidades está em contacto com um dos familiares em Portugal e presta todo o apoio necessário para trasladação do corpo assim que as autoridades alemãs concluírem as investigações em curso", disse à Lusa a mesma fonte, acrescentando que ainda não há dados policiais sobre o caso.

Segundo a mesma fonte, a vítima era uma mulher, nascida em 1972 e natural de Lisboa, que se encontrava a viver na Alemanha para onde tinha emigrado na companhia do namorado, também de nacionalidade portuguesa. "Ela estava dada como desaparecida desde o dia 9 de abril e foi encontrada morta e desmembrada", disse a fonte.

O assunto está a ser acompanhado em permanência pelos serviços consulares da embaixada de Portugal em Berlim.

As primeiras notícias sobre o caso foram difundidas pelo jornal alemão Bild. O Bild noticiou que o corpo foi encontrado junto a um canal na quinta-feira passada, tendo os membros (braços e pernas) sido encontrados num outro local.

Ainda segundo a imprensa alemã, a portuguesa tinha emigrado para a Alemanha há cinco anos.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.