Pokémon Go aumentou número de acidentes, feridos e mortos nos EUA

Investigadores encontraram uma relação entre o jogo e os acidentes de viação

Um novo estudo de uma universidade dos EUA sugere que o jogo Pokémon Go poderá estar diretamente relacionado com o aumento de acidentes de viação, de feridos resultantes dos mesmos e até o aumento do número de mortos. Isto devido à distração que o jogo pode causar entre os condutores.

Dois professores da Universidade de Purdue, Mara Faccio e John J. McConnel, estudaram cerca de 12 mil acidentes de viação no condado de Tippecanoe, no estado do Indiana. O estudo chama-se Death by Pokémon Go (morte por Pokémon Go) e o título, que pode parecer provocador, acaba por ser justificado pelos dados apresentados. Além disso, desde o lançamento do jogo, a 6 de julho de 2016, são vários os relatos, uns mais verosímeis que outros, de situações causadas pelo jogo: feridos, acidentes, grandes aglomerados de gente, situações caricatas, descobertas de cadáveres e até mortes.

Os autores do estudo estudaram os acidentes e relacionaram os mesmos com o facto de estarem próximos, ou não, de Pokéstops (sítios que os jogadores devem visitar para receberem itens relacionados com o jogo). Assim, pretenderam descobrir se a introdução destes locais levou ao aumento do número de acidentes, comparando cruzamentos que tinham Pokéstops perto e os que não as tinham, explica o ARS Technica. Várias

A verdade é que, no condado de Tippecanoe, os acidentes de viação aumentaram. Com efeito, aumentaram após o surgimento do jogo. Este aumento torna-se estatisticamente importante porque o seu valor é de 26,5% para cruzamentos a cerca de 100 metros de uma Pokéstop, comparado com os locais que estão distantes dos locais de jogo.

Assim, em comparação, e tendo por base os 148 dias seguintes ao lançamento do Pokémon Go, ocorreram 134 acidentes a mais perto das Pokéstops. Isto acrescenta cerca de mais de 420 mil euros em danos, mais 31 feridos e mais dois mortos, do quem em locais que não tem um dos locais pertencentes ao jogo por perto.

Os investigadores tiveram também em conta outras variáveis, como as férias escolares e o clima, que podiam causar também modificações nos dados estudados. Mesmo assim, as conclusões continuam a encontrar uma relação entre o jogo e o aumento de acidentes.

Os autores admitem que extrapolar os resultados de um condado para o país todo é "especulativo", mas os dados totais sugerem que mais 145 mil acidentes, 29 mil feridos e 250 mortes possam ter sido causados por jogar durante a condução.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.