Peregrino finlandês morre após atropelamento

O peregrino sofreu "traumatismo cranioencefálico, hemorragias externas, feridas e escoriações"

Um peregrino finlandês dos Caminhos de Santiago de Compostela, na Galiza, morreu na madrugada hoje no hospital de Braga na sequência do atropelamento de que foi vítima em Valença, informou à Lusa fonte daquela unidade hospitalar.

Contactada pela Lusa fonte do Comando Territorial da GNR adiantou que o peregrino de 73 anos "foi atropelado por um veículo ligeiro, cerca das 15:20 de terça-feira, na Avenida dos Bombeiros Voluntários de Valença, tendo sofrido ferimentos graves".

Revelou ainda que a vítima foi transportada para o hospital de Viana do Castelo, de onde, segundo fonte daquela unidade de saúde, foi transferido para o hospital de Braga.

Fonte dos Bombeiros Voluntários de Valença adiantou à Lusa que o peregrino sofreu "traumatismo cranioencefálico, hemorragias externas, feridas e escoriações".

A mesma fonte adiantou que o atropelamento aconteceu "nas proximidades do Albergue de São Teotónio, em Valença".

Além daquela corporação, ao local compareceu a ambulância de Suporte Imediato de Vida estacionada em Valença e a GNR local.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.