"Peço ao Presidente que abrace a causa"

O diretor do Serviço de Endocrinologia, Diabetes e Metabolismo do Centro Hospitalar S. João sublinha a importância de trabalhar a prevenção

Como é que se chega a uma sociedade em que mais de metade da população tem excesso de peso (52,8%)?

O problema do excesso de peso e da obesidade nasce há vários anos e gostava de relembrar os dados Congresso Europeu de Obesidade, que decorreu no Porto, segundo os quais entre 2002 a 2014, prevalência da obesidade nos adolescentes portugueses aumentou 0,3%. Estes números colocam-nos entre os países com maior prevalência de obesidade (pior só a Grécia). Esse estudo não procurava as causas, mas demonstrava aspetos preocupantes: os adolescentes portugueses tiveram uma quebra grande no consumo de fruta. Passámos de 47% para 40% dos jovens que consumia fruta todos os dias. O que pode estar ligado à situação de crise, pois a fruta é mais cara que um hambúrguer e batatas fritas. Também há uma diminuição da atividade física.

Um estudo da OMS (publicado ontem), refere que em 2024 o número de jovens obesos será superior ao de jovens que não têm peso suficiente. Passamos de um extremo para o outro?

A situação é dramática. Podemos fazer com que o SNS seja incapaz de dar resposta aos problemas da obesidade. São fundamentais campanhas de promoção de atividade física nas crianças e de hábitos saudáveis nos adolescentes, que podem ser também vetor da mudança para outras gerações.

Como se pode evitar a doença?

Temos bons fármacos para tratar a obesidade, mas o mais eficaz é trabalhar a prevenção. A questão é quanto tempo demora uma intervenção destas? É quase uma geração e os governos não estão disponíveis para intervir agora e ter resultados daqui a 20 anos. A senhora Obama lançou uma campanha de promoção de atividade física e alimentação saudável e conseguiu reduzir a prevalência da obesidade nos dois mandatos do marido. Se me é permitido, apelo também ao Presidente da República para abraçar esta campanha de dar corpo à luta contra a obesidade, para que tenhamos uma geração mais saudável.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG