Papa propõe amnistia para alguns presos

Celebra-se este domingo o Jubileu dos Reclusos no Vaticano. Papa diz que hipocrisia leva a ver prisão como "único caminho"

O papa Francisco considerou hoje que é uma hipocrisia encarar a prisão como "o único caminho" para quem "comete erros" e propôs às autoridades "um ato de clemência" para a reintegração de alguns presos.

Francisco falava hoje de manhã durante a celebração do Jubileu dos Reclusos, no Vaticano, perante milhares de pessoas, incluindo mil reclusos e ex-detidos de 12 países que estavam acompanhados por familiares, capelães e pessoal penitenciário.

Segundo a Agência Ecclesia, este grupo também integrava portugueses.

Durante a homília, o pontífice denunciou a hipocrisia que muitas vezes leva a considerar a prisão como a única alternativa para uma pessoa que errou e que cometeu um crime.

"Às vezes, uma certa hipocrisia leva a ver (...) como o único caminho a prisão. Não se pensa na possibilidade de mudar de vida, há pouca confiança na reabilitação", disse Francisco.

Tal conduta, segundo o papa, faz com que as pessoas se esqueçam de que "somos todos pecadores" e, em muitas ocasiões, "prisioneiros sem dar conta" de preconceitos e do que intitulou de "ídolos de um falso bem-estar".

Dirigindo-se aos presos, Francisco recordou que diante de Deus "ninguém pode viver sem a certeza de encontrar perdão" e exortou-os a "não ficarem fechados no passado".

"A história passada não pode ser escrita novamente. Mas a história que começa hoje, e olhando para o futuro, ainda está por escrever. Aprender com os erros do passado, pode abrir um novo capítulo da vida", reforçou.

Também pediu aos detidos para não perderem a esperança, que pode "iluminar com luz o presente muitas vezes perturbado e ofuscado por situações que levam à tristeza e dor", bem como sublinhou a importância da fé e do seu impacto no ato de perdão.

"Só a força de Deus, a misericórdia, pode curar certas feridas", sustentou.

Já fora da Basílica de São Pedro e a partir da janela do apartamento papal, durante a oração do Angelus, Francisco pediu "uma justiça penal que não seja exclusivamente punitiva" e apelou às autoridades civis para levaram a cabo "um ato de clemência" para que alguns presos possam ser reintegrados na sociedade, sempre e quando a sua condição penal o permita.

"Submeto à consideração das autoridades civis competentes a possibilidade de cumprir, neste Ano Santo da Misericórdia, um ato de clemência para com aqueles prisioneiros que são considerados adequados para desfrutar desta medida", afirmou.

O papa fez também um apelo "a favor das condições de vida nas prisões, para que a dignidade humana dos detidos seja respeitada plenamente".

SCA // SMA

Lusa/fim

Este texto da agência Lusa foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?