País quer estar na linha da frente para acolher refugiados

Há 60 mil refugiados para recolocar na Europa e Portugal pode receber mais de 10 mil

A imagem é constante. Filas e barcos de refugiados chegaram à Europa, sobretudo à Itália e à Grécia. Sessenta mil estão registados nesses países para serem acolhidos no âmbito do programa europeu de recolocação e Portugal disponibiliza-se para receber dez mil. E há, ainda, 680 refugiados que chegaram pelos próprios meios. É necessário envolver mais associações porque se esgotou a capacidade de habitação com a receção de 781 migrantes. Será lançada uma campanha de sensibilização no primeiro trimestre de 2017.

"Há um ano havia toda a capacidade para instalação e não estavam a chegar refugiados, a partir de maio começaram a chegar muitos mais e estamos perto de atingir os 100% da capacidade", explica Rui Marques, o coordenador da Plataforma de Apoio aos Refugiados (PAR).

Os imigrantes que vêm de forma espontânea são avaliados e não chega a 5% os que obtêm o visto de asilo político, outros 20% têm residência por questões humanitárias.

A PAR envolve 104 instituições - querem chegar às 200 - e especializou-se na receção às crianças e suas famílias, tendo integrado 50% dos refugiados em comunidades. Os restantes são reencaminhados pelo Conselho Português para os Refugiados, União das Misericórdias, Cruz Vermelha e Câmara de Lisboa.

A Portugal chegaram 781 pessoas para colocação. Destes, 510 provenientes da Grécia e 271 da Itália, informa o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras. A origem varia com as rotas utilizadas: subsarianas (Itália) e mar Egeu (Grécia). A maioria dos requerentes tem nacionalidade síria, sendo famílias com filhos menores e provenientes da Grécia. Os que chegam às Itália são homens, sós e vêm da Eritreia. Portugal recebeu ainda 12 refugiados reinstalados da Turquia.

Portugal assumiu o compromisso no âmbito da UE de acolher 4274 refugiados, número que tem vindo a aumentar. Recentemente o primeiro-ministro disponibilizou-se a outros Estados membros, como a Alemanha, no sentido de aumentar o contingente. Dez mil é o número mais recente dos refugiados que podemos receber. Portugal é o quarto país da UE com maior número de recolocações. "O programa de recolocação funcionou melhor nos últimos meses e espera-se que em 2017 possa haver uma maior distribuição", antecipa Rui Marques.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG