Pai acusado de 60 crimes de violação à própria filha

O arguido terá violado várias vezes a jovem de 15 anos quando esta foi viver com ele para fugir a um padrasto abusador

O Ministério Público (MP) acusou um homem de 40 anos, residente em Lisboa, da prática de crimes sexuais sobre a filha menor num total de 60 crimes de violação, 94 crimes de coação sexual, um de abuso de menor dependente agravado e um crime de coação, segundo o despacho de acusação a que o DN teve acesso. Além da agravante de o suspeito ter, alegadamente, violado a filha, há ainda a circunstância deste pai ter ficado com o poder paternal da menor, hoje com 16 anos, depois de esta ter pedido à mãe para ir viver com o progenitor. A rapariga justificou o pedido com o facto de ter sido vítima de abusos sexuais pelo padrasto quando tinha 13 anos. A mãe foi incapaz de a proteger. Esse ex-namorado da mãe esteve a ser julgado este ano nas Varas Criminais de Lisboa por cinco crimes de abuso sexual à menor, tendo sido condenado a três anos e seis meses de pena suspensa e ao pagamento de 500 euros de multa.

A partir de agosto de 2013, a rapariga passou a viver com o pai, a sua madrasta e o irmão menor filho do casal num apartamento em Lisboa. Os alegados abusos sexuais terão começado em abril de 2014. Sempre que estava sozinho com a filha, o homem violava-a, em casa ou no carro, o que aconteceria pelo menos uma vez por semana, entre o início de abril e 3 de julho de 2014, segundo o despacho de acusação.

Leia mais na edição impressa ou no e-paper do DN

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG