Organização, ballet e futebol. Ser aluno de excelência não é só estudar para os exames

Começa amanhã a primeira fase dos testes nacionais do ensino secundário. Fomos à procura de quem se destaca pelas boas notas

Quando era mais nova, Ricardina Gaspar só via o número cinco na pauta de notas. Desde que se lembra dela própria na escola e até ao 9.º ano de escolaridade que os resultados escolares sempre foram de topo, catapultando-a mais tarde diretamente para o quadro de Excelência do Colégio Rainha Santa Isabel, em Coimbra, onde (ainda) é aluna do 12.º ano, no curso de Ciências Socioeconómicas. Foi sempre assim, boa aluna, a rapariga que de vez em quando é notícia por causa do que faz no tempo livre: ballet. A dançar vai percorrendo o mundo e somando prémios, o que deita por terra a teoria de que os bons alunos passam horas a estudar, e pouco mais fazem da vida.

"Danço desde pequenina e sempre tive tempo para fazer outras coisas, além da escola", contou ao DN ontem de manhã, no final da aula de preparação para o exame de Português, que acontece amanhã, às 09.30, por todo o país. Ricardina, 17 anos, figura entre os 75 544 alunos inscritos na prova. Desde que as aulas terminaram que os dias são passados entre a escola e a biblioteca, pois a disciplina em causa é aquela em que sente alguma dificuldade, se assim lhe podemos chamar. "Tenho 16, o que é a minha nota mais baixa, por isso se tiver boa nota no exame pode ajudar-me a melhorar a média."
Melhorar, neste caso, quer dizer nivelar nos 19 que consegue a Matemática, a disciplina preferida.

Desde o ano passado que Ricardina experimenta as explicações, como forma de manter a nota no topo. Já era assim quando recebeu aquele teste, no 11.º ano, com um redondo 20 no lugar da nota. "Não estudo muito. Acho que sou organizada e estudo sempre, ao longo do ano, por isso quando chegam os exames é só preciso intensificar um pouco esse trabalho." Assim, com a leveza de quem anda em pontas nos palcos e na vida, vai fazendo planos para o que aí vem: "O meu objetivo é entrar na Universidade Nova, em Lisboa. É lá que quero fazer o meu curso de Economia." Enquanto estuda, pede aos santos que o exame de Português não lhe traga poesia para interpretar. Já na Matemática, são as sucessões que a podem atrapalhar.

Ser organizada é o trunfo

Mais acima, em Aveiro, faz-se também de estudo e de dança o quotidiano de Maria Quintela, aluna do 12.º de Humanidades, na Escola Secundária Homem Cristo. Está ainda indecisa entre as Relações Internacionais e a Ciência Política, a mais velha de quatro irmãos dedicados também à dança, nas horas vagas. "Eu não estudo muito, nunca estudei. O que tento é ser muito organizada. Acho que o truque é começar a estudar logo desde o início do ano, e não deixar apenas para a altura dos testes e exames." Aos 17 anos, Maria Quintela nunca experimentou explicações, de modo que o único apoio resume-se às aulas de preparação para os exames, disponibilizadas pela escola secundária onde estuda. Segundo os dados revelados pelo Ministério da Educação (disponibilizados pelo Júri Nacional de Exames), mais de 160 mil alunos estão inscritos nos exames do ensino secundário, sendo 55% raparigas, na linha do que é a tendência nacional para várias áreas.

Helena Marques é uma dos milhares de professores que têm estado ao lado dos alunos nesta caminhada de preparação para os exames, numa escola do distrito de Coimbra. Professora de Geografia, o que observa nos últimos anos "é que a maioria dos alunos passa o ano inteiro despreocupado e só se lembra de Santa Bárbara agora, que troveja, nos exames. Há alunos que só estudam agora", conclui, num quadro de contraste com os alunos aqui entrevistados.
Os primeiros exames

Alexandre Anastácio terminou o 9.º ano de escolaridade com o número 5 a brilhar na maioria das disciplinas, como se pode constatar na Escola Básica 2/3 Amadeu Gaudêncio, na Nazaré. Nada a que não esteja habituado o rapaz que no ano passado contabilizou a nota máxima a 11 das 13 disciplinas. Qual é o segredo, afinal? "É estar atento nas aulas. Tirar todas as dúvidas dentro da sala", afirma ao DN o jogador de futebol nas horas vagas, aluno empenhado sobretudo na Matemática, que por estes dias ainda não decidiu qual é a área em que se vai matricular. Depois de fazer os exames de Português (a 17) e Matemática (a 21) logo tomará essa difícil decisão, aos 14 anos. Para já, inclina-se para Ciências e Tecnologias, o curso que lidera em Portugal no que toca a alunos inscritos por curso, para exame, segundo os dados disponíveis. Ao todo, são 74 472 alunos vindos dali que vão sujeitar-se às provas. A primeira fase dos exames nacionais do ensino secundário começa agora, amanhã, às 09.30, com a prova de Português, e continua na tarde desse mesmo dia com o exame de Filosofia. O rol de exames termina no dia 27 deste mês, com Geometria Descritiva A e Literatura Portuguesa.

Exclusivos