Nova estação do Metro na Reboleira só abre no primeiro trimestre de 2016

A abertura chegou a estar prevista para agosto de 2010, mas problemas de financiamento levaram à suspensão dos trabalhos.

O Metropolitano de Lisboa prevê que a entrada em funcionamento da nova estação na Reboleira, Amadora, assegurando a ligação à linha ferroviária de Sintra, "ocorra durante o primeiro trimestre de 2016", informou hoje a empresa.

Segundo anunciou à Lusa o gabinete de comunicação da Transportes de Lisboa (TL), está prevista "a conclusão dos trabalhos de prolongamento no início de 2016 e que a abertura da estação ocorra durante o primeiro trimestre de 2016".

A assessoria do Metro informou, em junho, que estavam a ser desenvolvidos esforços para "a abertura à exploração até ao final deste ano", mas afinal o novo troço Amadora Este/Reboleira só entra ao serviço no próximo ano, até março.

O prolongamento a partir da estação Amadora-Este, em cerca de 579 metros, "insere-se na estratégia de reforço da intermodalidade com a ferrovia e assegurará a ligação da Linha Azul com a linha de comboios de Sintra", explicou a empresa que junta Metro, Carris e Transtejo.

A empreitada de acabamentos do novo troço está orçada em 8,795 milhões de euros. No estudo de impacte ambiental do prolongamento à Reboleira, datado de 2007, previa-se a abertura à exploração em agosto de 2010, no entanto problemas de financiamento levaram à suspensão dos trabalhos.

"O valor global do empreendimento é de cerca de 60 milhões de euros", revelou a TL, contabilizando o investimento da primeira fase, que também está abrangido por financiamento comunitário de 42,5 milhões do Fundo de Coesão, para despesas de 2007 a 2015.

A empreitada em curso beneficia de fundos europeus do POVT -Programa Operacional Temático de Valorização do Território, com uma taxa de cofinanciamento de 84,4%, ou seja de "cerca de 7,4 milhões de euros".

A Câmara da Amadora aproveitou para investir cerca de 600.000 euros na Avenida D. Carlos I, entre o Bingo do Estrela da Amadora e a estação de comboios da Damaia, trabalhos que devem ficar prontos "no final de fevereiro", disse à Lusa a presidente da autarquia, Carla Tavares (PS).

"Estamos a iniciar a obra, que contamos que esteja terminada na mesma altura [do Metro], para reforço de estacionamento, de zonas de estadia e de iluminação pública, intervenções que vão permitir dotar a zona de maior segurança, para que as pessoas se sintam tranquilas e seguras ao utilizar o espaço público", frisou a autarca.

A autarquia propôs a denominação de Amadora-Sul para a nova estação, na freguesia de Águas Livres, mas, para já, "a estação mantém a designação Reboleira, a qual pode ser alterada se a Transportes de Lisboa considerar outra que melhor se adequa à sua localização e toponímia", respondeu a empresa.

A ligação do Metro aos comboios será coberta e, junto ao interface, serão criados dez terminais para autocarros, e mais quatro nas proximidades, adiantou anteriormente o vereador da Mobilidade e Obras Municipais, Gabriel Oliveira (PS), estimando que a zona passe a ter "quase mil lugares de estacionamento".

A Linha Azul do Metro passará a ter a extensão de 13,7 quilómetros, com 18 estações entre a Reboleira e Santa Apolónia (Lisboa), estimando-se que a ligação à linha ferroviária de Sintra gere uma procura "de cerca de quatro milhões de passageiros/ano".

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...