Nova 2ª Circular pode acabar travada nos tribunais

Presidente do Automóvel Clube de Portugal acusa projeto da Câmara de Lisboa de ser "louco" e "faraónico"

O Automóvel Clube de Portugal (ACP) ameaça travar em tribunal a requalificação da 2ª Circular, caso a Câmara de Lisboa avance com o projeto que o presidente do ACP qualifica de "louco", "surrealista" e "faraónico".

Em declarações à Rádio Renascença, Carlos Barbosa argumentou hoje que "só um louco é que pode fazer uma proposta destas, porque não temos alternativas. O eixo Norte-Sul ainda não é alternativa à 2ª Circular e a A5 ainda não está ligado ao Eixo Norte-Sul. É uma via muito importante de ligação para cidade, uma via de atravessamento importantíssima".

Por isso, o presidente do Automóvel Clube de Portugal garante que vai apresentar uma proposta de alteração ao projeto da autarquia, que está em discussão pública até dia 15 de janeiro. Depois de o documento voltar à Assembleia Municipal, e se a requalificação avançar como foi noticiada, o ACP vai "para tribunal com providências cautelares. Não podemos permitir que estes dois senhores [José Sá Fernandes, vereador da Estrutura Verde e Energia, e Manuel Salgado, vereador do Urbanismo] prejudiquem milhares e milhares de lisboetas", atacou Carlos Barbosa na Renascença.

Como o DN noticiou ontem, o projeto da autarquia liderada por Fernando Medina pretende transformar aquela via rápida numa avenida urbana em que a velocidade de circulação não ultrapassa os 60 km/h. A 2ª Circular poderá, em 2017, passar a ter em toda a sua extensão um separador central com 3,5 metros de largura que só sob os viadutos não será arborizado. O espaço será ganho à custa da vias onde circulam os carros: cada uma passará a ter apenas 3,25 metros de largura, ficando a da direita, cujo betão será de uma cor diferente, destinada a movimentos de entrada e saída. A via será ainda repavimentada em toda a sua extensão. Logo nesse dia, Carlos Barbosa afirmou ao DN que este plano "não tem qualquer espécie de sentido". Agora quer travá-lo nos tribunais.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG