Nobel da Física vai para estudo de ondas gravitacionais

O Nobel da Física de 2017 distinguiu os cientistas Rainer Weiss, Barry C. Barish e Kip S. Thorne pelo seu "contributo decisivo" na deteção e "observação das ondas gravitacionais".

O Comité Nobel sueco distinguiu o alemão Rainer Weiss, de 85 anos, e os americanos Barry C. Barish, de 81 anos, e Kip S. Thorne, de 77 anos, pelo seu estudo e "observação das ondas gravitacionais". Um trabalho que permitiu "finalmente a sua captura" e compreensão.

Para o Comité Nobel "está-se perante algo totalmente novo e diferente, que abre mundos até agora insuspeitos".

A observação das ondas gravitacionais ocorreu em 2015 pela primeira vez. No ano seguinte, em fevereiro, foi anunciado ter sido gravado o som de ondas gravitacionais resultantes de um colisão de dois buracos negros a mil milhões de anos de luz - a primeira evidência direta da sua existência. E também a confirmação da natureza dos buracos negros.

"Um sem fim de descobertas estão agora ao nosso alcance" após terem sido, finalmente, "capturadas as ondas e entendidas as suas mensagens", refere o texto a justificar a atribuição do prémio.

O conceito de ondas gravitacionais foi inicialmente formulado por Albert Einstein, ele próprio distinguido com o Nobel da Física em 1921.

Weiss, Barish e Thorne, em colaboração com um outro cientista, Ron Drever, falecido em 2016, estão na origem do projeto LIGO (Laser Interferometer Gravitationa-wave Observatory, Observatório Interferómetro Laser de Ondas Gravitacionais) que levou à descoberta agora distinguida.

O anúncio sucedeu em Estocolmo e segue-se ao verificado na segunda-feira em que se ficaram a conhecer os distinguidos na área da Medicina.

Leia aqui o comunicado do Comité em inglês.

Na história do Nobel da Física, o prémio foi atribuído duas vezes à mesma pessoa, ao americano John Bardeen. A primeira vez em 1956, com William Shockley e Walter Brattain, pela invenção do transistor, e em 1972, com Leon Cooper e Robert Schrieffer, pela elaboração da teoria da supercondutividade.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG