Nobel da Física premeia descobertas rumo aos supercomputadores

Três investigadores britânicos foram distinguidos pelos trabalhos na topologia da matéria, com vista para a computação quântica

São cientistas que trabalham na chamada física teórica, sem que isso signifique que as suas descobertas não tenham uma grande implicação nas nossas vidas. O Prémio Nobel da Física foi atribuído aos britânicos David J. Thouless, e a F. Duncan M. Haldane e J. Michael Kosterlitz, "pelas descobertas teóricas das transições da fase topológica e as fases topológicas da matéria". A importância destas descobertas, com revelação dos "segredos na matéria exótica no mundo quântico", é mais facilmente compreensível quando se constata que são um passo decisivo, mas ainda não definitivo, no caminho para a computação quântica, isto é, os supercomputadores que podem tratar dados a uma velocidade muito superior.

"Os laureados deste ano abriram a porta para um mundo desconhecido onde a matéria pode assumir estados estranhos. Usaram métodos matemáticos avançados para estudar fases, ou estados, pouco habituais da matéria, como os supercondutores, superfluidos ou películas magnéticas finas", resumiu a Real Academia Sueca. Os estados "estranhos ou exóticos" são os que não estão à vista na natureza, como o sólido, gasoso e líquido.

Estarão a chegar os supercomputadores? "Não estará para breve. Têm sido dados passos no sentido de qualquer dia - podem ser anos ou décadas -chegarmos à computação quântica", explicou ao DN Eduardo Castro, investigador e professor no departamento de Física do Instituto Superior Técnico (IST),conhecedor do trabalho que estes três investigadores têm desenvolvido. Haldane esteve mesmo no IST em 2000.

Os computadores quânticos utilizam qubits (unidade de informação quântica, bidimensional), "muito sensíveis a interferências externas". São "estes novos materiais topológicos, alguns deles supercondutores, que poderão ter aplicação nesse âmbito", diz o investigador português.
Até se pode considerar que o Nobel chega um pouco tarde para a primeira parte do prémio, as transições da fase topológica. "Foram ideias teóricas muito relevantes nas décadas de 1980 e 1990, sobre topologias insensíveis a perturbações externas. Mais recentemente percebeu-se que há outros materiais que são caracterizados pelo mesmo tipo de conceitos e fases", diz Eduardo Castro, completando: "Numa segunda parte, as transições das fases topológicas, com a observação na natureza de estados de materiais a duas dimensões, materiais muito finos com a possibilidade, por exemplo, de serem magnéticos. A teoria anterior dizia que não era possível."

Em resumo, o físico do IST analisa o prémio em duas vertentes: "Este prémio distingue dois aspetos: os passos dados para a compreensão do mundo que nos rodeia, já que estas formas topológicas são de muito difícil compreensão. Têm impacto na nossa vida porque mais cedo ou mais tarde vão ter aplicação e serão importantes na nossa vida. Por outro lado, distingue cientistas que têm tido impacto determinante, nas últimas décadas, na compreensão da matéria condensada."

Durante a cerimónia de anúncio dos prémios, Duncan Haldane falou em direto por videoconferência e manifestou-se "muito surpreendido e muito grato". "Este trabalho foi realizado há muito tempo, mas agora há novas descobertas a acontecer baseadas nesse trabalho. Há muita esperança de que estes novos materiais tenham grande potencial", disse o cientista, que admitiu: "Como em outras descobertas, tropeçamos nelas e nem nos apercebemos das implicações até que outras pessoas comecem a falar disso."

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.