Nem a chuva demoveu os estudantes da Serenata

"Vale sempre a pena. É o momento mais emotivo do ano", sublinhou Alfredo Dionísio, estudante de segundo ano

A chuva que se fez sentir hoje durante toda a Serenata da Queima das Fitas de Coimbra não fez demover milhares de estudantes de protagonizarem a habitual mancha de capas negras no Largo da Sé Velha.

Antes da meia-noite chegar, o Largo da Sé Velha estava repleto de guarda-chuvas que escondiam a mancha humana de estudantes trajados - alguns já há várias horas à espera do espetáculo, protagonizado por três grupos da Secção de Fado da Associação Académica de Coimbra.

No entanto, assim que se ouviram as cordas das guitarras, grande parte dos guarda-chuvas desapareceu (os estudantes trajados, por tradição, não podem usá-los), assim como os gritos e cânticos de curso pararam.

"Vale sempre a pena. É o momento mais emotivo do ano", sublinhou Alfredo Dionísio, estudante de segundo ano. Já para José Pedro, caloiro de Medicina Dentária, havia "muita expectativa" para aquela que era a sua primeira serenata e o primeiro dia em que vestiu o traje: "A primeira não se esquece".

Sem a chuva dar tréguas, durante a serenata alguns estudantes procuraram proteção debaixo de telha, outros socorreram-se de guarda-chuvas de amigos ou familiares e houve ainda quem optasse por usar a capa como uma espécie de véu, para além dos que se deixaram simplesmente molhar.

A mancha negra, que permaneceu calada, atenta à música e sem bater palmas (como é regra), apenas interrompeu o silêncio no momento em que terminou a serenata, por volta das 01:30, para gritar um "efe-erre-á", em conjunto com os três grupos de Fado de Coimbra.

Ana Tavares, finalista de Gestão de Empresas, no Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra, estava há mais de uma hora à espera que a serenata começasse, porque "há muitas pessoas" e queria um "bom lugar" para ouvir o Fado de Coimbra.

A chuva não a demoveu, que o simbolismo da serenata fala mais alto: "Há a sensação de realização pessoal e também melancolia", disse à agência Lusa, referindo ainda que no momento de despedida, a incerteza do futuro também pesa para esta jovem que pondera emigrar.

Telma, de 22 anos, natural de Penacova, também se despede este ano de Coimbra e, "possivelmente, do país".

A estudante de enfermagem assistiu a todas as serenatas desde que ingressou no ensino superior e não se importa de esperar, à chuva, para aquela que será a sua última: "É mais especial".

"Custa deixar isto - deixar Coimbra. E, quase de certeza, será para ir para o estrangeiro", disse, contando que desde que começou a tratar das fitas de finalista, em abril, que essa possibilidade lhe assola o pensamento.

A Serenata Monumental é o evento de arranque da Queima das Fitas de Coimbra, com os habituais concertos na Praça da Canção a começarem hoje à noite e a prolongarem-se até dia 13.

Este ano, a festa dos estudantes conta com concertos de Valete, Gabriel O Pensador, Editors e António Zambujo, entre outros.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG