NASA mostra efeito do Ophelia nos incêndios de outubro

Vídeo divulgado pela estação espacial norte-americana sobre a evolução dos furacões que passaram pelo Atlântico no verão

De 31 de de julho a 1 de novembro foram raros os dias em que não se viu fumo dos incêndios, na Europa e na América do Norte. Como mostra uma animação criada pela NASA que segue os trajetos dos furacões que passaram no Atlântico durante esse período.

Na animação - composta pela combinação de uma série de dados recolhidos pelos satélites da agência espacial norte-americana - é claro como a passagem do Ophelia junto de Portugal coincide com os dias de mais incêndios em outubro. Os ventos fortes provocados pelo furacão, como as temperaturas altas, já tinham sido avançados como possíveis causas para a maior propagação dos fogos a 15 de outubro.

A NASA pretendia com estas imagens perceber como as partículas são arrastadas na atmosfera. Com o acompanhamento dos aerossóis e dos furacões. É visível também como o fumo dos incêndios pode ser transportado a milhares de quilómetros de distância. "No início de setembro, podemos ver uma coluna de fumo de Óregon e Washington que atravessa o Atlântico até Inglaterra", pode ler-se na descrição do vídeo, na página da NASA.

Exclusivos