Na casa onde nasceu Bordalo Pinheiro já não mora o zé-povinho

Novo projeto quer "devolver a Lisboa um edifício cheio de história". Há 171 anos, o génio que criou o Zé Povinho nascia na Rua da Fé, em Lisboa. Agora nascem casas T2 de luxo que piscam o olho a nacionais e estrangeiros

Jornalista de gravura, folhetinista do lápis, cronista gráfico, ceramista, cartoonista, professor, desenhador. De Rafael Bordalo Pinheiro conhecem-se muitas facetas e vidas que ainda hoje se recordam e elogiam. Em Lisboa, o modernista dá nome a um largo e a um museu e, agora, vai também ser associado ao setor do imobiliário através das Bordalo Residences.

O projeto para um segmento médio-alto foi apresentado nesta terça-feira e passa pela reabilitação e reconversão em apartamentos do edifício onde o artista português que criou o Zé Povinho nasceu há 171 anos. A obra é da Metem Group, uma empresa de investimentos com sede em Istambul, e a promoção está a cargo da Quintela & Penalva - Real Estate.

"Este desafio surgiu através de uma empresa com que trabalhamos há muito tempo. Aconselhou os nossos serviços e estabelecemos de imediato uma relação muito saudável e com grande cumplicidade com a empresa proprietária", conta ao DN/Dinheiro Vivo Francisco Quintela, da imobiliária.

O prédio fica na Rua da Fé, em Lisboa, mesmo ao lado da Avenida da Liberdade, e vai ganhar dez novos apartamentos, todos de tipologia T2, com áreas a começar nos 91 metros quadrados e que vão até 141 m2. Os apartamentos de maior dimensão já estão à venda nos sites da especialidade com valores em torno dos 700 mil euros.

Atualmente fragilizado, "o prédio tinha alguns inquilinos com quem foi negociada a saída". Agora será totalmente reabilitado "para que as escrituras decorram durante o primeiro trimestre de 2019" e as portas das novas casas possam abrir logo de seguida e já com novos donos. A conclusão da obra está prevista para o final do próximo ano. "Apontamos para que os primeiros proprietários possam desfrutar na plenitude deste empreendimento a partir do início do segundo trimestre de 2019."

E as propostas já começaram a surgir. Desde o lançamento já foram sinalizados interessados para quatro apartamentos, cujos contratos de promessa já estão na agenda. Sem revelar nacionalidades, Francisco Quintela assume que o projeto poderá servir vários públicos. "O cliente para este tipo de imóvel tem sido bastante variado. Tanto pode ser o público estrangeiro que queira um pied-à-terre em Lisboa, ou mesmo que queira habitar, ou um mero investidor que pretenda aplicar as suas economias num mercado saudável e em crescimento."

E, se a intenção for investir à espera de retorno, apresentam-se "opções de rentabilidade que rondam os 7%". Um valor que está em linha com a rentabilidade média do imobiliário nacional que, nos últimos 15 anos, se tem mantido bastante acima de outros investimentos financeiros como o mercado das ações ou das obrigações e que tem levado muitos investidores a regressarem à compra de casa como fonte de rendimento.

A ligação a Bordalo Pinheiro vai fazer-se através do nome que eterniza o edifício. Mas sobre a estratégia para comunicar o projeto a promotora imobiliária pouco diz. "O nome mantém a relação ad aeternum, de momento na nossa comunicação não temos mais nada programado, mas, chegando ao final do ano, teremos uma estratégia de comunicação já devidamente aceite nos projetos que temos em carteira e a desenvolver, e com toda a certeza que o Bordalo Residence será contemplado."

A promessa é "devolver a Lisboa um prédio repleto de história" a um passo do Chiado e do Tejo, com um cenário pitoresco e ainda com opções de terraço e de jardim, "compreendidos numa obra de arte com 300 anos de história".

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.