Morreu o jornalista e apresentador Artur Albarran

Retirado desde 2001, a personalidade da televisão tem enfrentado desde então vários e graves problemas de saúde, como leucemia, transplante de medula óssea, meningite e, mais recentemente, covid-19.

O apresentador e antigo jornalista Artur Albarran morreu ao final da tarde desta terça-feira, aos 69 anos, numa altura em que travava pela segunda vez uma luta contra um cancro, confirmou à Lusa um amigo.

Artur Albarran estava internado no Hospital São Francisco Xavier, em Lisboa.

Retirado desde 2001, a personalidade da televisão tem enfrentado desde então vários e graves problemas de saúde, como leucemia, dois transplantes de medula óssea e, mais recentemente, covid-19 e meningite.

No último ano, chegou a estar nos Cuidados Intensivos do Hospital Amadora-Sintra durante o mês de agosto com sintomas fortes de SARS-CoV-2. Três meses depois, foi internado de urgência no Hospital São Francisco Xavier com meningite, tendo estado em isolamento e com prognóstico reservado.

Com carreira de jornalista iniciado na Rádio Clube de Moçambique, Artur Albarran passou ainda pelo Rádio Clube Português antes de ter integrado a equipa que fundou o programa "Grande Reportagem" na RTP no início da década de 1980. Nos anos 1990 foi enviado especial à Gurra do Golfo e ao conflito na Somália.

Foi igualmente diretor do jornal Século Ilustrado e integrou a redação que trabalhou no arranque da TVI, em 1993.

Mais tarde passou para a SIC, onde apresentou programas como "Cadeira do Poder", "Imagens Reais" e "Acorrentados". Em "Imagens Reis", tornou famosa a sua expressão "a tragédia, o drama, o horror".

Paralelamente, esteve filiado ao Partido Revolucionário do Proletariado após o 25 de Abril de 1974 e foi presidente do Conselho de Administração da EuroAmer, holding imobiliária do Grupo Carlyle, que viria a falir e a dar origem a uma investigação do Ministério Público, num processo que acabou arquivado mas que chegou a levar Albarran a ser detido por suspeitas de falsificação de documentos e branqueamento de capitais.

Em comunicado, a Media Capital, dona da TVI, "manifesta o seu profundo pesar pelo falecimento de Artur Albarran, antigo jornalista da TVI". "A TVI recorda-o como um profissional ousado, que construiu uma relação de grande proximidade com o público. Os seus programas, bem como as reportagens que fez como enviado especial à Guerra do Golfo, ficam para a história da televisão portuguesa. A Media Capital, o seu Conselho de Administração e os seus colaboradores endereçam as mais sentidas condolências à sua família e amigos", pode ler-se no comunicado enviado às redações.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG