Morreu Sudan, o último rinoceronte-branco-do-norte macho

"Complicações relacionadas com a idade" levaram a que o animal fosse sujeito a eutanásia. Sudan já nem conseguia permanecer de pé

O último rinoceronte-branco-do-norte macho, Sudan, morreu no Quénia, aos 45 anos, devido a "complicações relacionadas com a idade", anunciaram hoje investigadores.

Em comunicado, a organização de proteção da vida animal OI Pejeta Conservacy, no Quénia, informou que o rinoceronte eutanasiado na segunda-feira, depois de o seu estado de saúde ter "piorado significativamente". Os músculos e ossos do animal estavam a deteriorar-se e tinha desenvolvido extensos ferimentos na pele.

O rinoceronte estava envolvido num importante esforço para salvar esta subespécie da extinção, já que era o último macho - sobrevivem ainda duas fêmeas.

"Era um grande embaixador da sua espécie e será recordado pelo trabalho que fez para criar uma consciência global para a situação não só dos rinocerontes mas também de muitos milhares de outras espécies sob ameaça de extinção como resultado de uma atividade humana insustentável", disse o responsável da organização, Richard Vigne.

Os especialistas afirmaram que Sudan, que era uma espécie de celebridade, atraindo milhares de visitantes, "apaixonou muitos com a sua dignidade e força". Os tratadores descreviam-no como afável.

Sudan, o último exemplar macho da sua subespécie nasceu no Sudão, foi levado para um jardim zoológico na República Checa e foi transferido para o Quénia em 2009.

Na segunda-feira foi recolhido material genético de Sudan, que poderá ser utilizado em tentativas de reprodução desta subespécie através de tecnologias de inseminação avançadas, acrescentaram os especialistas.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG