Migrantes regressam a Portugal mas encontram piores salários

Portugueses que viviam no estrangeiro estão a regressar em grande número. Há 29 896 migrantes que entraram no país em 2015

Pedro e Marina regressaram de Angola em 2015, quando os ordenados deixaram de ser pagos em euros, depois em dólares e mais tarde em kwanzas, com o câmbio cada vez mais baixo. No mesmo ano, Osni voltou a imigrar do Brasil, devido à degradação da economia do seu país. Casos que confirmam as estatísticas que dão conta de mais entradas em Portugal no ano passado. Encontraram trabalho, mas agora são mais mal pagos do que quando aqui tiveram emprego antes de deixarem o país.

Seiscentos e cinquenta euros não dá para sustentar uma casa quando se está só e se paga o aluguer. Era o salário de Marina Pereira, 33 anos, osteopata, no clube desportivo onde trabalhava desde que regressou de Luanda. Despediu-se e vai voltar a emigrar, em janeiro, desta vez para São Tomé e Príncipe, para gerir um spa, o mesmo que fazia na capital angolana. "Adoro Portugal, sou uma apaixonada pelo meu país, estou sempre a pensar em voltar, mas 650 euros não dá."

Faltavam dois meses para fazer três anos em Angola quando Marina decidiu regressar. Tinha deixado Portugal por um ordenado de 4200 euros, com casa, o que só aconteceu no primeiro ano. O salário foi sendo reduzido substancialmente e, há um ano, decidiu voltar a mudar. "Éramos um grupo de 20 amigos, só três é que ficaram e é porque estão a receber em Portugal. Muitos vieram e voltaram a partir: um para o Canadá, dois para Moçambique, um para o Brasil...", vai contabilizando.

Ela não teve problemas em encontrar aqui trabalho. "Há emprego, só que é muito mal pago. Talvez não seja tão fácil encontrar trabalho na minha área, mas consigo sempre emprego em outras áreas. O problema são os ordenados."

Faz novamente as malas para voltar a África, por um ordenado que lhe permitirá juntar dinheiro para abrir um negócio no seu próprio país.

Pedro Dias, 42 anos, agente comercial no setor energético, regressou em setembro de 2015 e pelos mesmos motivos de Marina, como tantos outros portugueses. "Mais de 90% dos que lá estavam regressaram e estariam lá uns 250 mil", diz. Os dados consulares indicavam 126 356 em 2014.

"O que aconteceu é que as divisas de Angola vinham do petróleo, com a descida do preço do barril diminuíram substancialmente", justifica, para concluir: "O dinheiro só é bom para comprar coisas, com os kwanzas [moeda angolana] não se compra nada." Nos últimos oito meses trabalhou pela mesma empresa, angolana, em São Tomé e Príncipe, regressou a tempo de transferir o dinheiro.

Antes de emigrar, Pedro trabalhava numa multinacional e saiu numa leva de despedimentos. Foi um ex-colega que o convidou para trabalhar na empresa angolana, por 2500 euros mensais pagos em euros, com casa e alimentação. A mulher e os três filhos ficaram.

Emigrou em 2012 e a situação em Angola começou a piorar no 4.º trimestre de 2013. Ele aguentou mais dois anos.

Em Portugal não teve dificuldade em encontrar emprego no mesmo ramo, sentiu uma economia melhor, mas que não se compara aos seus primeiros anos na atividade. "O país está a crescer, a nossa área está muito ligada à construção e sentimos melhorias, mas ainda há alguma instabilidade. Por exemplo, há dez anos eu sabia quanto ia faturar ao fim do mês, as coisas estavam estruturadas, hoje não dá para fazer esse planeamento."

Fluxos migratórios

Marina e Pedro fazem parte dos 29 896 migrantes que entraram no país em 2015, mais 53,2 % do que no ano anterior e metade eram portugueses que viviam no estrangeiro há mais de um ano, segundo o Instituto Nacional de Estatística (INE). Resta saber, diz Rui Pena Pires, coordenador do Observatório da Emigração, se o número dos que regressaram não foi compensado por aqueles que partiram.

O INE indica uma diminuição de 18,5% nos emigrantes permanentes, mas para o sociólogo esta informação tem dois problemas: é resultado de um inquérito por amostra e separa os emigrantes permanentes dos emigrantes temporários, quando às vezes nem os próprios sabem quanto tempo vão ficar fora. Os dois grupos somam 101 203, um valor acima dos cem mil e que se tem mantido nos últimos anos.

"Os nossos dados para 2015 dão a manutenção da emigração e, a haver uma diminuição, será muito ligeira. A emigração diminuiu para uns países e aumentou para outros. E, por outro lado, Portugal está com uma atratividade muito próxima do zero." O Observatório recorre às estatísticas da imigração dos países de destino e, além de Angola, faltam as de França, para fazerem a avaliação final.

Os que regressam deve-se sobretudo a uma degradação das condições económicas nos países onde residiam, explica o sociólogo. É o caso de Osni Deretti, 47 anos, do estado brasileiro de Santa Catarina. Viveu em Lisboa entre 2002 e 2005, com a mulher e dois filhos, acabando por voltar dez anos depois.

"O Brasil começou a ter melhores condições com a entrada de Lula [o ex-presidente Lula da Silva], com mais benefícios sociais. Depois, com a recessão económica, houve uma deterioração e deixou de haver trabalho."

O Serviço de Estrangeiros e Fronteiras "confirma a tendência de crescimento do número de cidadãos brasileiros que procuram Portugal para residir".

Osni chegou em setembro de 2015, começou a trabalhar num restaurante e acabou numa empresa onde já tinha estado em 2002, Fornece mão-de-obra a outras empresas e Osni faz um pouco de tudo: serviço de mesa, receção, seleção de produtos, embalagem, carga e descarga de contentores. Ganha 600 euros. E quando partiu? "Bem mais, 800, isto há dez anos." A mulher, que trabalha em estética, e, agora, três filhos chegaram há meses, com a certeza de que é para ficar, garante Osni Deretti. "Antes de casar vivi na Bélgica, uma cultura completamente diferente. Aqui encontrei hospitalidade, é a minha segunda casa." Espera obter a autorização de residência para trabalhar no seu ramo e para o qual estudou: agente imobiliário.

Marina Pereira está de partida e não pensa voltar a Angola, pelo "trânsito caótico" e "insegurança", foi assaltada. Também viveu no Reino Unido e em Malta, experiências que repetiria. Das terras angolanas tem em boa memória as pessoas, as praias e o cheiro a terra húmida.

"Angola não era tão mau como muitos diziam mas também não era tão bom como a pintavam." Conclui Pedro Dias que admite voltar em deslocações pontuais até pela empresa onde trabalha. Porque "África fica para o resto da vida, as picadas de 350/400 km, entrar na água com 29 graus..."

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG