Mais de 40% dos portugueses passam tempo livre a ver TV

Estudo confirma "uma elevada prevalência de fatores de risco como a hipertensão, obesidade, sedentarismo, uma alimentação que não é saudável e que contribuem para a ocorrência de AVC"

Um estudo à escala nacional, realizado em 2015, mostra que 40% dos portugueses ocupa os tempos livres a ver televisão, resultado que o coordenador do Departamento de Epidemiologia do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge considera preocupante.

Médico, assistente graduado sénior de saúde pública, coordenador do Departamento de Epidemiologia do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge, Carlos Dias apresentou hoje no 12.º Congresso Português do Acidente Vascular Cerebral, que decorre no Porto até sábado, os resultados do primeiro inquérito nacional de saúde com exame físico.

O especialista afirmou que as conclusões "confirmam uma elevada prevalência de fatores de risco como a hipertensão, obesidade, sedentarismo, uma alimentação que não é saudável e que contribuem para a ocorrência de AVC".

O trabalho de campo decorreu em 2015, abrangendo cerca de 4.200 pessoas distribuídas pelas sete regiões de Portugal, envolvendo homens e mulheres com idades entre os 25 e 74 anos. A análise dos dados foi feita em 2016.

Dos números apurados, Carlos Dias destacou a "elevada frequência de sedentarismo", concluindo o estudo que "mais de 40% dos homens e mulheres referiram que a atividade que melhor caracteriza os seus tempos livres é estar sentado a ver televisão".

A leitura desses dados evidencia preocupação ao médico que coordenou o estudo, lembrando que a "atividade física é essencial no controlo das doenças cardiovasculares, diabetes e obesidade".

Em declarações à Lusa, Carlos Dias sublinhou que o estudo também apresentou resultados otimistas, nomeadamente que a taxa de prevalência da diabetes baixou para os 9,8%.

Numa sociedade com cada vez mais apelos, "mas nem sempre saudáveis", Carlos Dias citou como otimistas os números relacionados com a "prevalência da diabetes, que baixou para 9,8%" quando "há sete anos, em que o valor chegou aos 12%".

"Tudo aponta para que a diabetes esteja numa tendência decrescente. Os números mostram-nos também que [a maior parte] dos hipertensos e dos diabéticos sabe que têm a doença, estão medicados e controlados", salientou.

"O outro resultado que considero importante é aquele que nos mostra que nas pessoas de estratos sociais menos favorecidos, como as que têm menor grau de instrução [ou] que estão desempregadas há uma maior frequência desses fatores de risco", alertou Carlos Dias, sugerindo uma "nova linguagem" na relação médico-paciente.

Neste cenário, o médico disse ser "importante perceber que tanto os programas de prevenção da doença como de promoção da saúde poderão ter vantagens se considerarem as suas intervenções de uma forma mais dirigida a estas pessoas, capacitando-as e dando-lhes informação de acordo com o seu nível socioeconómico e grau de instrução".

Sobre o aparente insucesso das sucessivas campanhas de consciencialização para a doença junto da população mais jovem, Carlos Dias explicou que continua a haver uma oferta pouco saudável.

Face às "ofertas múltiplas de bens e de serviços", as gerações mais novas "têm hoje mais dinheiro e disponibilidade de tempo, adotando estilos de vida bem diferentes". O problema é que "nem sempre a oferta parece saudável", apontando os casos da "alimentação, apesar dos programas importantes da redução do sal e do açúcar, cujos efeitos demoram dois a cinco anos a fazerem-se sentir".

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...