Mãe inglesa localizada. Levou as crianças e quis fugir do marido

GNR soube ontem que Christine Davies está ainda no Algarve, na casa de um familiar, com os dois filhos de 3 e 18 meses. Fugiu do marido. Ministério Público abriu inquérito

Um dia depois de Aaron Rodwell, 28 anos, ter contado ao DN que procura a sua mulher e filhas, desaparecidas de casa no dia 4 deste mês, na zona de Boliqueime, Algarve, a GNR localizou a britânica Christine Davies através de um familiar. A mulher e as crianças, Lily e Ruby, de 3 e 18 meses, respetivamente, "estão bem" e no Algarve. Christine Davies, de 28 anos, desapareceu de casa com as filhas para fugir da relação tensa com o marido.

Segundo adiantou ao DN uma fonte oficial da Guarda no Algarve, "um familiar da mulher transmitiu, por contacto telefónico, que ela está bem e as crianças também". Não há nenhuma queixa apresentada pela inglesa por violência doméstica contra Aaron Rodwell mas Christine terá referido a familiares episódios violentos, e com álcool à mistura, por parte do companheiro.

Ontem à tarde a GNR estava a tentar conseguir um contacto presencial com Christine e as duas crianças.

Desde que o pai das crianças apresentou queixa do desaparecimento da mulher e das filhas, na GNR de Albufeira, que a Guarda foi eliminando hipóteses avançadas por Aaron e que se revelaram falsas, como Christine estar a atravessar uma depressão com vários problemas psicológicos.

A Guarda descobriu também que, logo que saiu de casa, Christine foi para um local, também no Algarve, onde já estava acompanhada por familiares e amigos.

O Ministério Público abriu um processo e o caso será encaminhado para a Comissão de Proteção de Crianças e Jovens (CPCJ) local. Pelo que o DN apurou ontem, ainda não estava a ser dada ao caso uma configuração de rapto parental, uma vez que é preciso apurar os motivos invocados pela mulher para abandonar a casa e levar as crianças e eventuais perigos que as três poderiam correr.

A Polícia Judiciária também esteve a acompanhar o caso mas as principais diligências têm sido conduzidas pela GNR, uma vez que não se verificou haver indícios de um crime que justificasse a intervenção da PJ.

O pai das crianças, visivelmente desesperado, andou na manhã de quinta-feira a distribuir cartazes pelos estabelecimentos comerciais com fotografias das filhas e da mulher. Nesse dia, admitiu no local ao DN que a mãe pudesse ter saído livremente de casa, mas mostrou--se preocupado com a saúde das crianças: "Não acredito que ela fisicamente faça mal às filhas, mas psicologicamente ela não está bem. Tem andado com depressões." Este alegado quadro de problemas psicológicos de Christine já foi afastado.

Aaron garante que estava tudo bem entre ele e a mulher e que esta tinha começado a trabalhar num restaurante em Boliqueime, há duas semanas. "A única discussão que tivemos foi no dia anterior, quando lhe sugeri para ela tentar sair um pouco mais cedo do trabalho, para ajudar a tratar das filhas."

Da casa da família desapareceram ainda cerca de seis mil euros em dinheiro, assim como todos os documentos das crianças. Christine levou o cartão SIM do telemóvel e deixou o aparelho.

Aaron nunca mais dormiu em casa, porque diz não conseguir olhar para as roupas e fotografias das meninas.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG