Lisboetas buzinaram contra Fernando Medina

Algumas pessoas responderam à chamada e protestaram contra as obras no centro da cidade. Ciclistas fizeram o contra-protesto

Dezenas de pessoas circularam, esta terça-feira, na rotunda do Marquês de Pombal, em Lisboa, com a buzina do automóvel em som de protesto contra as obras lançadas pela Câmara Municipal, que afetam o eixo central da cidade, entre o Marquês de Pombal e o Saldanha. Os automobilistas estão preocupados com o futuro da circulação naquela zona da cidade, já que o projeto da autarquia prevê um encurtamento das vias do trânsito.

No entanto, foi um protesto que durou pouco. Cerca de meia hora após a hora marcada para o início do protesto, o trânsito no Marquês de Pombal já fluía normalmente e poucas buzinas se ouviam.

Esta terça-feira, Luís Andrade, um dos promotores da iniciativa, explicou à agência Lusa que o protesto é dirigido aos "lisboetas em geral que queiram manifestar a sua indignação", mas de forma "perfeitamente pacífica"."Não vamos complicar nada, é só buzinar e continuar. Não vamos parar o trânsito, nem é o que se pretende", salientou. E foi o que aconteceu. O trânsito fluiu normalmente, ainda que acompanhado com o som das buzinas de alguns automóveis.

Sobre a organização da iniciativa, apontou que estão "várias pessoas [envolvidas], não são só moradores", que se decidiram juntar porque "havia um grande desconhecimento em relação ao projeto" "Achámos que o projeto estava pouco explicado e que era importante que as pessoas tivessem conhecimento", insistiu Luís Andrade, esperando que se consiga suspendê-lo para discussão "e depois, eventualmente, recomeçar a obra mas com o projeto alterado".

Porém, o projeto agrada a outros utentes da cidade, como os que se deslocam numa bicleta. Esta terça-feira, uma dezena de ciclistas urbanos fez uma espécie de contra-protesto à manifestação dos automobilistas, exibindo cartazes como "somos todos peões".

Com Lusa

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG