Lisboa retira obstáculos de seis ruas para ser mais fácil andar a pé

Projeto-piloto avança nas zonas da Penha de França, Lumiar, Sete Rios e Cais do Sodré. Se correr bem será alargado a mais duas

O que fazer quando uma rua não é amiga dos peões e, ainda assim, não está incluída em nenhum dos grandes programas municipais que visam tornar mais fácil andar a pé em Lisboa? Optar por pequenas intervenções que não alteram o seu perfil, como retirar obstáculos, nivelar passadeiras ou regularizar o pavimento, mas que são suficientes para aumentar o conforto e a segurança de quem ali caminha.

É esta a solução que a autarquia pretende adotar para a Rua Morais Soares, a Avenida General Roçadas, a Alameda das Linhas de Torres, a Avenida Rainha Dona Amélia, a Avenida Columbano Bordalo Pinheiro e a Rua de São Paulo e, caso o resultado seja positivo, alargar a outras zonas da cidade. O investimento é de dois milhões de euros e, pelo menos nas duas primeiras, as obras deverão avançar já no segundo semestre deste ano. Os projetos estão ainda a ser elaborados e cada caso será estudado individualmente em conjunto com as juntas de freguesia, entre outras entidades.

"As ruas não se alteram, mas melhoramos as condições para os peões", adianta ao DN o vereador dos Direitos Sociais, João Afonso, salientando que, em causa, estão vias com muito movimento pedonal e que acabaram por não ser incluídas nos dois programas de maior dimensão para o espaço público que a câmara municipal (CML) tem em curso: o Pavimentar Lisboa 2015--2020 e o Uma Praça em Cada Bairro. O primeiro, lançado em julho, visa reabilitar estruturalmente 150 artérias da capital, enquanto o segundo prevê a reconversão de 30 locais da cidade hoje dominados pelo automóvel em espaços de convívio ao ar livre. Em ambos, a melhoria da mobilidade pedonal é prioritária.

A opção ganhou destaque em 2014, ano em que entrou em vigor o Plano de Acessibilidade Pedonal de Lisboa - o documento que orienta o Ruas Amigas do Peão, agora em desenvolvimento, e que conta com seis intervenções-piloto. No caso da Rua Morais Soares e a da Avenida General Roçadas, na Penha de França, a junta de freguesia local foi informada do projeto no último dia 18. A escolha agradou a Sofia Oliveira Dias, por se tratar de vias onde há "alguma sinistralidade", que ainda não deixou de manifestar as suas "preocupações".

Desde logo, a garantia de que, no processo, não desaparecem lugares de estacionamento. Depois, que são criadas zonas de estada, nomeadamente na Rua Morais Soares, que permitam a quem a sobe ter onde descansar. E, por último, que sejam removidos "obstáculos e elementos obsoletos" que dificultam a circulação nos passeios. A questão tem sido uma das áreas que mais atenção têm merecido da parte do município - só entre o início do ano e meados deste mês, foram retirados dos passeios de Lisboa cerca de 700 sinais verticais, segundo dados então revelados pela autarquia. A medida é útil sobretudo para quem tem mobilidade reduzida, mas não só.

"Esta freguesia está envelhecida: esse é um dos motivos por que andamos a fazer força para este projeto avançar. Mas é um problema para os dois extremos: andar com carrinhos de bebé também é difícil", lembra ao DN Sofia Oliveira Dias, que, tal como propôs no dia 18, gostaria de que a iniciativa da CML abrangesse o quarteirão do Museu do Azulejo e a Quinta do Lavrado, um bairro de habitação municipal, onde faltam, por exemplo, coisas tão simples como corrimãos.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.