Lisboa quer videovigilância instalada em toda a cidade

Moradores e comerciantes do Bairro Alto dizem sentir-se mais seguros. Autarquia tem mantido reuniões com a PSP e o MAI

Lisboa vai ter câmaras de videovigilância controladas pela PSP em toda a cidade. Esta é a intenção da autarquia, que já teve reuniões com o Ministério da Administração Interna e a PSP para analisarem o desenvolvimento na capital do sistema que desde 2014 funciona no Bairro Alto - uma das três áreas do país com autorização para esta instalação, as outras são a Amadora (103 câmaras) e o Santuário de Fátima (oito).

As zonas do Cais do Sodré e do Miradouro de Santa Catarina são as mais fortes candidatas para a próxima fase deste projeto que está a gerar pedidos de outras freguesias para a sua instalação. Como acontece com os habitantes da Avenida Almirante Reis, que viram nesta quarta-feira a Assembleia Municipal discutir e enviar para a autarquia uma recomendação para a colocação de videovigilância na zona de forma a combater o tráfico de droga que dizem existir ali.

O alargamento deste tipo de vigilância para o Cais do Sodré é um desejo da Associação de Moradores do Bairro Alto, como disse ao DN Luís Paisana, presidente da Associação dos Moradores do Bairro Alto. Também a Associação de Dinamização da Baixa Pombalina tem-se reunido com a câmara e a PSP na tentativa de ver o sistema instalado rapidamente na Baixa.

Ao DN, o vereador com o pelouro da Segurança, Carlos Castro, confirmou que a autarquia está "bastante satisfeita com o feedback que recebeu da PSP no que diz respeito ao Bairro Alto" e que se pretende aumentar a colocação destes sistemas de vigilância na capital.

Nesta zona, uma das mais turísticas da capital, estão colocadas 27 câmaras, e a própria polícia, segundo a associação de moradores, já lhes confirmou que os índices de criminalidade têm descido.

Baseada nestas indicações, a autarquia confirmou estar a "trabalhar no aumento da rede. Queremos uma cobertura total da cidade a médio/longo prazo". Segundo o vereador Carlos Castro, o "terreno está a ser preparado, seguindo o modelo que existe noutras cidades da Europa". Além de aumentar a cobertura do sistema, o responsável também quer que este passe a ser conhecido por um outro nome: videoproteção. "Vamos avançar para outras zonas pois queremos ter toda a cidade coberta, sempre de acordo com as indicações da PSP. As câmaras são vistas como um meio de dar melhores condições à polícia", frisou o autarca ao DN.

O aumento da rede de vigilância eletrónica também vai depender, adiantou Carlos Castro, das soluções tecnológicas disponíveis. "Para já usamos a fibra ótica, mas também há a hipótese de as câmaras funcionarem com wi-fi, mas isso obriga a ter segurança reforçada no sistema. Há muitas variantes com que temos de jogar", explicou.

Certo é que a autarquia tem como objetivo "a total cobertura na cidade. É uma evolução de metodologia na segurança. Assim, a PSP pode ter uma ação preventiva em vez de reativa", concluiu.

Bons resultados

Em funcionamento desde 2014, os resultados do sistema de vigilância instalado no Bairro Alto deixam satisfeitos moradores e comerciantes. Apesar de, ao DN, o Ministério da Administração Interna garantir: "O período de tempo de utilização dos sistemas ativos não permite ainda essa avaliação." Por outro lado, "há muitos casos que a PSP diz ter conseguido resolver atuando com base nas imagens das câmaras", adiantou Luís Paisana. "As pessoas sentem-se mais seguras, sobretudo porque sabem que a polícia pode agir com mais celeridade. Mas é preciso que haja mais agentes na rua e que atuem também ao nível do tráfico", acrescentou o presidente da associação de moradores.

É também neste último ponto que os comerciantes do Bairro insistem. "[O sistema] é inibidor, em qualquer situação é mais fácil identificar os responsáveis. E temos sentido uma diminuição da criminalidade", salientou ao DN Hilário Castro, presidente da Associação de Comerciantes do Bairro Alto. "Mas é preciso que quem de direito utilize o sistema para resolver outras situações, como tráfico. Há um aumento de indivíduos a oferecer estupefacientes na rua. Isso tem-se vindo a agravar. Não percebemos porque é que as autoridades não usam o sistema para acabar com essa situação", diz.

Coimbra satisfeita

Atualmente há duas cidades há espera de autorização para instalar a videovigilância: Vila Franca de Xira (ver texto ao lado) e Coimbra, que já teve e pretende que a PSP volte a ter acesso as imagens. Nesta última, 30 ruas foram vigiadas desde 2009, como adiantou ao DN fonte do comando distrital da PSP. Uma aposta com resultados positivos: "Entendemos que a diminuição da criminalidade registada é uma consequência da conjugação da ação proativa da PSP (detenções e patrulhamento de visibilidade) com a importância e a eficácia do sistema."

A Amadora aderiu ao sistema de videovigilância em maio, o que já possibilitou a detenção do suspeito do homicídio de um taxista no dia 20. Após um investimento de 900 mil euros numa rede de fibra ótica e um milhão na instalação de 103 câmaras, a autarquia espera que a videovigilância ajude a criar na população da cidade da Amadora "um sentimento de segurança", como afirmou a presidente da câmara municipal, Carla Tavares. Com Valentina Marcelino

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG