Junta e moradores de Carnide vão decidir novas ações contra parquímetros

"Estamos, neste momento, a verificar tudo o que são pressupostos legais para interpormos alguma ação", disse o presidente da Junta de Freguesia de Carnide, Fábio Sousa

A Junta de Freguesia de Carnide, em Lisboa, vai reunir-se na próxima semana com moradores para decidir novas formas de contestar o estacionamento tarifado no centro histórico, estando em cima da mesa avançar com uma providência cautelar.

"Dia 18 [de abril], reuniremos com a população à noite para definir o que vai acontecer. Estamos, neste momento, a verificar tudo o que são pressupostos legais para interpormos alguma ação", disse esta segunda-feira à agência Lusa o presidente da Junta de Freguesia de Carnide, Fábio Sousa (CDU).

Assegurando que serão usados "todos os mecanismos legais à disposição", o autarca disse que, "muito provavelmente", irão avançar com uma providência cautelar.

Na noite de quarta-feira passada, moradores de Carnideretiraram os parquímetros da EMEL que tinham sido ativados a 31 de março em protesto pela sua instalação na zona histórica da freguesia.

Os 12 parquímetros foram retirados apenas com força de braços e ficaram guardados na sede da Junta de Freguesia de Carnide até terem sido confiscados pela PSP, aparentemente sem sinais de vandalismo.

Dois dias depois, a Empresa Municipal de Mobilidade e Estacionamento de Lisboa (EMEL) repôs os parquímetros retirados de Carnide e disse esperar "bom senso" na manutenção dos equipamentos, razão pela qual não adotou medidas de segurança adicionais.

Por agora, a situação "está calma", de acordo com Fábio Sousa.

"De facto, voltaram a colocar os parquímetros e tenho estado a fazer um grande acompanhamento à população no sentido de não se vandalizar para não perdermos agora a razão", sublinhou, falando em "centenas de 'e-mails' e de chamadas" que tem recebido nos últimos dias.

O autarca adiantou que a Junta reiterou o pedido de reunião feito "com caráter de urgência" ao presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina, e solicitou à Assembleia Municipal que seja breve na apreciação da petição que ali foi entregue sobre o assunto.

Entretanto, na sequência dos acontecimentos de quarta-feira à noite, a EMEL apresentou uma queixa-crime contra desconhecidos.

A introdução do estacionamento tarifado no centro histórico de Carnide tem vindo a ser contestada por Fábio Sousa, que considera não surgir no momento adequado por o município ainda não ter requalificado, como se comprometeu, locais como a Azinhaga das Carmelitas, Travessa do Pregoeiro, Rua General Henrique de Carvalho, Rua das Parreiras e a Rua da Mestra.

Em julho de 2016, a Assembleia Municipal de Lisboa aprovou alterações ao Regulamento Geral de Estacionamento, prevendo a criação de Zonas de Estacionamento de Duração Limitada em locais onde ainda não existe estacionamento tarifado.

O novo documento, que substitui o de 2013, prevê a extensão da atividade da EMEL a quase todo o concelho.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.