Jardim zoológico acusado de matar ursos à fome

Ativistas indonésios divulgaram imagens chocantes dos animais

Um grupo de ativistas indonésio acusa os responsáveis do jardim zoológico de Bandung, na Indonésia, de estarem a deixar os animais morrer à fome, nomeadamente os ursos, tendo difundido vários vídeos chocantes mostrando os ursos extremamente magros e a pedir comida aos visitantes.

O jardim zoológico de Bandung tem estado no centro de várias controvérsias relacionadas com maus tratos de animais: os responsáveis já foram fortemente criticados pelos maus tratos infligidos a um elefante que viria a morrer, apesar de o zoo ter negado todas as acusações. Yani, o elefante, tinha nódoas negras por todo o corpo e acabou por não resistir aos ferimentos.

O Scorpion Wildlife Trade Monitoring Group, grupo de ativistas com sede na Indonésia, tem chamado a atenção para a negligência no jardim zoológico desde o ano passado. Começou em meados de 2016 a difundir os vídeos dos ursos-malaios que pedem comida aos visitantes do recinto, visivelmente subnutridos. Voltou agora à carga, pedindo o fecho do zoo. "O recinto está sujo, a água está poluída e não é limpa, o chão não tem relva. Não há árvores vivas", disse à BBC Gunung Gea, o diretor do Scorpion Wildlife Trade Monitoring Group, acrescentando que os ativistas têm ido frequentemente ao jardim zoológico para dar fruta aos ursos, alimento que faz parte da dieta natural dos animais.

Gabriella Fredriksson, da União Internacional para a Conservação da Natureza, disse à estação britânica: "o facto é que se conseguem ver as costelas deles, o que certamente não é normal. Estão subalimentados". E refere que o facto de os ursos comerem as próprias fezes - a situação é visível em algumas imagens partilhadas pelos ativistas indonésios - indica que os animais sofrem de "tédio extremo". "Os ursos-malaios são animais muito ativos. Se estão enfiados num recinto de cimento sem nada para fazer, sem serem estimulados para escalar ou cavar, é de destruir a alma, para dizer o mínimo", rematou Fredriksson.

O facto de o chão ser de cimento pode ser igualmente prejudicial para as patas dos ursos, demasiado delicadas, e a falta de sombra causa cataratas aos animais, habituados a viver em ambientes mais escuros.

Um porta-voz do jardim zoológico de Bandung desvalorizou as acusações e garantiu que os ursos são alimentados regularmente e sujeitos a exames de saúde. "Damos-lhes comida suficiente. As pessoas dizem que eles estão magros, mas isso quer dizer que não estão saudáveis e a comer? Não quer", concluiu.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG