Já não há cavalos mas ainda se faz bons negócios na Feira da Luz

Procissão da Nossa Senhora da Luz, padroeira da freguesia, encerra as festividades, que incluem concertos, teatro e muito mais

Há as tradicionais barracas de comes e bebes, as farturas e a ginjinha, e há o artesanato local, as louçarias e os panos, e mais todo o bricabraque e os divertimentos que são a alma de uma festa popular. Mas a Feira da Luz, que até 24 de setembro é o centro da animação na freguesia lisboeta de Carnide, vai muito para lá disso, com um programa rico de atividades culturais, religiosas e outras, ligadas ao associativismo local.

Com uma componente religiosa muito marcada - afinal a sua génese foi a romaria dedicada a Nossa Senhora da Luz, iniciada em 1464 -, a Feira da Luz "é uma das mais antigas do país, senão a mais antiga", diz Fábio Sousa, presidente da Junta de Freguesia de Carnide. Nesta altura do ano, "em que os festivais de verão já terminaram, esta acaba por ser uma das festividades mais significativas em Lisboa", sublinha o autarca.

O cariz religioso das festas adivinha-se na toponímia que aqui se encontra a cada passo. "Em Carnide tudo é Luz, por causa da santa padroeira da freguesia", nota Fábio Sousa. "É a Estrada da Luz e a Azinhaga da Luz, é o Hospital da Luz, a Igreja da Luz..." Com a feira não podia ser diferente. Quando a romaria se iniciou, há 553 anos, depressa se lhe juntaram os vendedores de santinhos e medalhas, que passaram a marcar presença. Depois, gradualmente, vieram muitos outros: os que vendiam louça e fruta, os cesteiros e, por fim, os comerciantes de gado.

Com o tempo, a venda de vacas e de cavalos tornou-se uma das atrações centrais da feira de fim de verão, que celebrava - e celebra - a sua santa, mas também a vida terrena, na sua abundância de fim de colheitas, atraindo gente de todo o lado. Tão importante se tornou que, em 1881, por decreto camarário - Carnide pertencia à Câmara de Belém -, a Feira da Luz passou de três para cinco dias. O mercado do gado fazia-se entre 8 e 11 de setembro e a procissão no último domingo do mês.

Durante todo o século XIX, feira e romaria ganharam mais feirantes e público. Este incluía tanto o povo como as famílias aristocráticas e os boémios. Conta-se que um desses boémios lisboetas foi o conde de Vimioso, que se fazia acompanhar da Severa, a "mãe" do fado.

Ano-chave para a Feira da Luz foi 1929. "Em abril foi inaugurada a linha do elétrico entre os Restauradores a Carnide, o 13, facilitando o acesso à freguesia, e então passou a vir imensa gente de Lisboa", conta Fábio Sousa. Foi também nessa altura que o calendário se alargou, do primeiro sábado de setembro até ao último domingo do mês.

Neste ano, as festas iniciaram-se a 26 de agosto e, como manda a tradição, terminam a 24, com a procissão dedicada à padroeira da freguesia. Até lá, há muita animação: concertos gratuitos para toda a família e para um público mais jovem - até esse dia vão atuar os Amor Eletro e Tiago Bettencourt, entre outros -, eventos desportivos, um festival de tunas, ranchos folclóricos, teatro de rua, lançamento de livros, cinema ao ar livre, e muito mais.

Organizada pela junta de freguesia, a feira reflete, afinal, a vivência cultural, associativa e de comunidade de Carnide. E agora, que os parquímetros da EMEL estão instalados e a funcionar - autarcas locais e população protagonizaram em abril um mediático protesto contra os parquímetros no centro histórico da freguesia -, a junta decidiu disponibilizar durante este mês um espaço de estacionamento gratuito. "Tivemos de encontrar uma alternativa, porque recebemos muitos visitantes", diz Fábio Sousa. Fica na Azinhaga das Carmelitas, ali muito próximo, e está devidamente indicada.

Exclusivos

Premium

Legionela

Maioria das vítimas quer "alguma justiça" e indemnização do Estado

Cinco anos depois do surto de legionela que matou 12 pessoas e infetou mais de 400, em Vila Franca de Xira, a maioria das vítimas reclama por indemnização. "Queremos que se faça alguma justiça, porque nunca será completa", defende a associação das vítimas, no dia em que começa a fase de instrução do processo, no tribunal de Loures, que contempla apenas 73 casos.