Inventaram o tampão "inteligente". Tem Bluetooth e avisa quando deve ser mudado

A my.Flow criou um tampão que se liga a um aparelho que comunica com o telemóvel. Para evitar esquecimentos que podem fazer muito mal à saúde

Situações embaraçosas relacionadas com o ciclo menstrual? Não deverá haver muitas mulheres no mundo que não tenham passado por elas. Mas agora a solução pode estar à vista, graças a um novo tampão "inteligente" que avisa quando tem de ser substituído.

A ideia é reduzir ao máximo o risco de o fluxo escapar e sujar a roupa em público ou de a mulher ficar com o tampão durante demasiado tempo e sofrer de Síndrome de Choque Tóxico, uma doença causada pelas bactérias que se acumulam no tampão.

Para evitar isso, a my.Flow, uma empresa americana, criou um tampão com Bluetooth. Sob o lema "o período é silencioso", a empresa apresenta um tampão smart que mede o quanto este está saturado e envia uma notificação para o telemóvel, via Bluetooth, a avisar que está na hora de o mudar.

Para que tudo funcione, é preciso ter a aplicação my.Flow instalada no telemóvel e um pequeno aparelho (monitor) que se coloca na cintura - preso na roupa interior ou no cós das calças ou saias. É este aparelho que recebe o sinal do tampão saturado, através de um fio (transmissor) com 15 a 30 centímetros que liga os dois dispositivos.

Para as mulheres que prefiram jogar pelo seguro, a app my.Flow, permite que sejam elas a programar que o aviso seja emitido quando o tampão atinge um certo grau de saturação: aos 25%, 50% ou 75%.

Além dos avisos, a app do tampão também vai ficando mais smart com o tempo: ao fazer um registo dos ciclos menstruais da mulher, o my.Flow consegue prever quando terá início o período da sua utilizadora, qual a sua duração e em que dias haverá maior fluxo.

No vídeo divulgado pelos criadores do conceito, Jacob McEntire e Amanda Brief, é mostrado como funcionam o tampão e a aplicação.

A empresa foi obrigada a renovar a imagem do produto pois, aparentemente, o primeiro protótipo do tampão não foi bem aceite pelo público. Mas mesmo este já teve críticas, com vários(as) bloggers ou cronistas a levantarem a questão se este é mesmo um produto necessário.

A empresa está convencida de que sim e procura financiamento para se lançar na produção em massa do dispositivo. Se o conseguirá ou não ainda está em dúvida, pelo que em dúvida fica também se o my.Flow alguma vez chegará ao mercado.

Se tudo correr bem, a ideia é vender o monitor my.Flow, que só precisa de ser comprado uma vez, pelo preço de 49 dólares, pouco mais de 44,5 euros. Já uma caixa de tampões my.Flow irá custar 13 dólares, cerca de 11,5 euros, um preço ligeiramente superior aos tradicionais tampões. O número de tampões por caixa não foi revelado.

Já há quem defenda que tudo isto parece exigir demasiado dinheiro para fazer uma coisa que as mulheres há muito fazem por si próprias e sem grande esforço.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG