Vem aí o "Museu dos Falhanços" e é na Suécia

Um perfume com fragrância de couro da Harley Davidson, uma lasanha da Colgate, uma Coca-Cola com sabor a café e uma máscara para eletrochoques faciais são alguns exemplos de invenções fracassadas

Chama-se "Museu dos Falhanços" e vai reunir alguns dos maiores flops da história recente. Invenções lançadas por marcas conhecidas e que não conquistaram, de todo, público e que o psicólogo Samuel West decidiu reunir e mostrar. Conta a edição online da revista Quartz que West está "cansado" do "mundo a adorar o sucesso". "Cada fracasso é excecionalmente espetacular, enquanto o sucesso é repetitivamente nauseabundo", salienta o investigador. "A verdadeira inovação exige aprender com as complexidades de cada falha", uma habilidade que, segundo West, "a maioria das empresas não conseguem aprimorar" .

O museu vai ser Inaugurado em junho em Helsingborg, na Suécia, e vai tentar tirar o estigma ao fracasso pessoal e profissional. Colgate, a empresa de dentífrico, tentou apostar nas refeições congeladas nos anos 80 com a lasanha de carne, mas descobriu que as pessoas não estavam particularmente ansiosas para comprar comida da sua empresa de pasta de dentes.

A Coca-Cola Blak, uma bebida de Coca-Cola com sabor de café, durou apenas dois anos (2006 a 2008). E a Harley Davidson, a marca de motociclos de culto, derrapou com o seu perfume "Hot Road". com uma fragrância a couro de moto.

Outros produtos falharam devido a seu design terrível. Como o Nokia N-Gage, o smartphone e o sistema de jogos portáteis, lançado em 2003. Foi muito mal projetado: tinha que ser desmontado para mudar jogos; o número de jogos era reduzido e para abri-lo só com muita força.

Depois, há os produtos que não foram em si um fracasso, mas foram parte integrante do pensamento que, em última análise condenou as suas empresas. Um dos exemplos que pode ser visto no Museu é o DVD Blockbuster: Isso foi, naturalmente, um movimento desastroso. A falha de adaptação do Blockbuster garantiu sua falência em 2013 e preparou o caminho de sucesso da Netflix.

Da mesma forma, a câmara digital da Kodak poderia ter facilitado o domínio contínuo da empresa - se os gestores tivessem logo percebido que a partilha de fotos online era o futuro. Em vez disso, continuou a promover a impressão de fotos e entrou em falência em 2012, meses antes de o Facebook comprar Instagram por mil milhões de dólares.

Alguns produtos são inacreditáveis mesmo, como uma máscara terrível promovida pela atriz Linda Evans em 1999, que supostamente embelezava o rosto através de choques elétricos várias vezes por mês.

Samuel West quer que a sua exposição incentive a sociedade a respeitar o fracasso, em vez de o ridicularizar ou ignorar. "A aprendizagem é o único processo que transforma a falha em sucesso", diz West. "Então, se você não aprender com seus fracassos então você está realmente lixado." Simples como isso", sublinha o psicólogo.

Ler mais