Vem aí o "Museu dos Falhanços" e é na Suécia

Um perfume com fragrância de couro da Harley Davidson, uma lasanha da Colgate, uma Coca-Cola com sabor a café e uma máscara para eletrochoques faciais são alguns exemplos de invenções fracassadas

Chama-se "Museu dos Falhanços" e vai reunir alguns dos maiores flops da história recente. Invenções lançadas por marcas conhecidas e que não conquistaram, de todo, público e que o psicólogo Samuel West decidiu reunir e mostrar. Conta a edição online da revista Quartz que West está "cansado" do "mundo a adorar o sucesso". "Cada fracasso é excecionalmente espetacular, enquanto o sucesso é repetitivamente nauseabundo", salienta o investigador. "A verdadeira inovação exige aprender com as complexidades de cada falha", uma habilidade que, segundo West, "a maioria das empresas não conseguem aprimorar" .

O museu vai ser Inaugurado em junho em Helsingborg, na Suécia, e vai tentar tirar o estigma ao fracasso pessoal e profissional. Colgate, a empresa de dentífrico, tentou apostar nas refeições congeladas nos anos 80 com a lasanha de carne, mas descobriu que as pessoas não estavam particularmente ansiosas para comprar comida da sua empresa de pasta de dentes.

A Coca-Cola Blak, uma bebida de Coca-Cola com sabor de café, durou apenas dois anos (2006 a 2008). E a Harley Davidson, a marca de motociclos de culto, derrapou com o seu perfume "Hot Road". com uma fragrância a couro de moto.

Outros produtos falharam devido a seu design terrível. Como o Nokia N-Gage, o smartphone e o sistema de jogos portáteis, lançado em 2003. Foi muito mal projetado: tinha que ser desmontado para mudar jogos; o número de jogos era reduzido e para abri-lo só com muita força.

Depois, há os produtos que não foram em si um fracasso, mas foram parte integrante do pensamento que, em última análise condenou as suas empresas. Um dos exemplos que pode ser visto no Museu é o DVD Blockbuster: Isso foi, naturalmente, um movimento desastroso. A falha de adaptação do Blockbuster garantiu sua falência em 2013 e preparou o caminho de sucesso da Netflix.

Da mesma forma, a câmara digital da Kodak poderia ter facilitado o domínio contínuo da empresa - se os gestores tivessem logo percebido que a partilha de fotos online era o futuro. Em vez disso, continuou a promover a impressão de fotos e entrou em falência em 2012, meses antes de o Facebook comprar Instagram por mil milhões de dólares.

Alguns produtos são inacreditáveis mesmo, como uma máscara terrível promovida pela atriz Linda Evans em 1999, que supostamente embelezava o rosto através de choques elétricos várias vezes por mês.

Samuel West quer que a sua exposição incentive a sociedade a respeitar o fracasso, em vez de o ridicularizar ou ignorar. "A aprendizagem é o único processo que transforma a falha em sucesso", diz West. "Então, se você não aprender com seus fracassos então você está realmente lixado." Simples como isso", sublinha o psicólogo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.