Tornados de fogo: um fenómeno da natureza em câmara lenta

Dois jovens mostram como se formam tornados de fogo, um dos fenómenos mais raros da natureza

Tornados de fogo são fenómenos naturais raros e impressionantes. Acontecem em condições específicas, parecidas às necessárias para se formarem tornados, massas de ar quente que encontram massas de ar frio, mas para formar o turbilhão de chamas o calor do fogo tem de se mover em áreas onde o ar é mais frio.

Gavin Free e Dan Gruchy, ou os The Slow Mo Guys, como são conhecidos, reproduziram um tornado de fogo e, com um vídeo em câmara lenta, mostraram como as chamas rodam sobre si. Para a experiência os dois jovens acenderam um fogo no meio de ventoinhas. As chamas começaram a rodopiar depois de alguns segundos.

O vídeo do tornado de fogo já foi visto mais de 850.000 vezes desde que foi publicado no YouTube, no dia 22 de novembro.

Os tornados de fogo são fenómenos perigosos que podem ter mais de um quilómetro de altura e ventos superiores a 160 km/h.

Tornado de fogo em 11 de setembro de 2012, em Curtin Springs, Austrália

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.