Tempestade de areia cobre Marte e silencia Opportunity

Rover Opportunity não dá sinais de 'vida' desde domingo

O veículo robotizado norte-americano Opportunity deixou de emitir sinais de Marte, onde aterrou em 2004, devido a uma tempestade de areia que atingiu o planeta, privando-o de energia solar para recarregar as baterias que o fazem funcionar.

Na terça-feira à noite, controladores de voo da agência espacial norte-americana NASA, que opera o aparelho, voltaram a tentar, sem sucesso, estabelecer contacto com o Opportunity, que não dá sinais de vida desde domingo.

A tempestade já atingiu mais de um quarto da área de Marte e deverá cobrir todo o planeta dentro de dois a três dias

As baterias do veículo robotizado estão tão em baixo que apenas um relógio continua a funcionar para alertar o aparelho para verificações periódicas dos níveis de energia.

A tempestade, que tem crescido desde o fim de maio a uma velocidade sem precedentes, já atingiu mais de um quarto da área de Marte e deverá cobrir todo o planeta dentro de dois a três dias.

Os técnicos da NASA esperam que o veículo de exploração do solo marciano possa sobreviver à tempestade.

Contudo, pode demorar semanas ou mesmo meses até o céu de Marte voltar a ficar limpo o suficiente para que a luz do Sol atinja a superfície do planeta e recarregue as baterias dos painéis solares que dão a energia para o veículo robotizado funcionar.

Inicialmente, o Opportunity foi concebido para durar três meses.

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."